Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Ourém.
Terça-feira, 26 de Abril de 2011
A emigração: factor de desenraizamento cultural

Os portugueses estão de novo a emigrar, cada vez em maior número, para escapar ao desemprego e degradação das condições de vida que se tem vindo a acentuar nos últimos tempos no nosso país. E, agora, não são apenas agricultores analfabetos que partem à procura de melhores condições de vida – são também jovens licenciados e empresários que não conseguem obter emprego ou alcançar sucesso empresarial.

Partem aos milhares, agora com destino preferencial para Angola, Espanha, Andorra, Suíça, Brasil e Reino Unido. Também a emigração temporária tem vindo a aumentar consideravelmente, sobretudo junto das populações raianas. O crescimento da emigração tem contribuído para deturpar os verdadeiros índices do desemprego cujos números divulgados já ultrapassaram largamente meio milhão de desempregados. De resto, também o Instituto Nacional de Estatística não revela dados relativos à emigração de portugueses.

A par da emigração, Portugal tem vindo também a registar uma forte imigração de pessoas oriundas sobretudo do Brasil e de países africanos e asiáticos e ainda, embora em número bem mais reduzido, de cidadãos europeus que escolhem Portugal para melhor usufruir dos rendimentos de uma aposentação num país de clima ameno e acolhedor.

As políticas seguidas têm levado à estagnação demográfica e a um acentuado despovoamento do interior que vem justificar o encerramento contínuo de escolas, hospitais e serviços de saúde e entregando os cuidados nesta área à responsabilidade do país vizinho. Os terrenos são deixados incultos à espera de quem, a pretexto do turismo rural, lhes demarque couto e transforme povoações inteiras em domínio privado. As obras da barragem do Alqueva apenas ficaram concluídas quando praticamente já não havia alentejanos a viver em redor…

Para o emigrante, o tempo pára no mesmo instante que deixa a sua terra. Consigo leva a lembrança de um tempo que jamais poderá reviver e parte para outra realidade que, por mais bem sucedida que seja a sua adaptação ao novo meio social, nunca se integrará realmente. E, quando regressa, constata que já nada se assemelha àquilo que existia à altura da sua partida. O emigrante viaja num tempo intermédio que não decorre e não se situa mais no espaço físico.

À medida que as aldeias se despovoam, desce sobre o velho casario um manto de solidão e tristeza. Já não se ouvem os chocalhos além na campina nem os sinos da igreja repicam as ave-marias. As malhadas e as desfolhadas não passam já de memórias de postal ilustrado e as romarias perderam o fulgor de outras eras. Os que ainda aí nasceram já partiram para terras distantes e, onde quer que agora residam, encontram sempre um pretexto para se reunirem aos seus compatriotas e procurarem reviver como podem os momentos alegres que tiveram de deixar para trás.

Em Champigny-sur-Marne, nos arredores de Paris, a Rádio Alfa, dirigida por um oureense, assegura emissões diárias para a comunidade portuguesa aí residente, transmitindo-lhes informação e música portuguesa que ajuda os nossos emigrantes a manter os laços com Portugal. É um exemplo que se multiplica por todos os países onde existem comunidades portuguesas. O mesmo sucede com a formação de grupos folclóricos e casas regionais que procuram preservar as suas tradições. Apesar de não estarem já inseridos no seu contexto natural ou seja, o meio rural, a sua acção é importante e justificada na medida que não é o espaço físico mas as pessoas que são dotadas de identidade cultural. O mesmo se verifica em relação àqueles que migram dentro do próprio país, mormente para os grandes centros urbanos.

A emigração forçada constitui um flagelo social das sociedades menos desenvolvidas ou a viver em sérias dificuldades, resultante de catástrofes económicas geralmente produzidas em consequência de políticas que não têm em conta o ser humano. Mas também em virtude de acidentes da natureza como se verificou nos finais do século XIX quando a praga da filoxera forçou o despovoamento das terras durienses. Agora, designam de a emigração pelo eufemismo “livre circulação de mão-de-obra” como se alguém que é forçado a partir para um meio estranho e a deixar os seus familiares e amigos, apenas porque na sua terra não consegue obter meios de sobrevivência e vida digna, o fizesse de forma realmente livre. A emigração em massa representa uma forma de escravatura do capitalismo e de desenraizamento cultural dos povos e perda de identidade das nações.

  

GOMES, Carlos. A emigração: factor de desenraizamento cultural. http://www.folclore-online.com

citações: http://o.castelo.vai.nu/miradouro/http://nucleomonarquicoabrantes.blogspot.com/2011/04/emigracao-factor-de-desenraizamento.html?ref=nf



publicado por Carlos Gomes às 12:11
link do post | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

BLOGUE "AUREN" SUSPENDE A...

A INQUISIÇÃO EM OURÉM

OURÉM RECEBE EXPOSIÇÃO DE...

GRUPOS LINGUÍSTICOS APRES...

PONTIFICIA ACADEMIA MARIA...

D. ANTÓNIO MARTO COMPARA ...

LEIRIA MOSTRA TRAJE TRADI...

BISPO DE SETÚBAL PRESIDE ...

SANTUÁRIO DE FÁTIMA PROMO...

SANTUÁRIO DE FÁTIMA APRES...

OFERTAS DE EMPREGO DA LIF...

PAN QUER DISCUTIR MOBILID...

OURÉM RECEBE EXPOSIÇÃO DE...

OURÉM: OS MISTÉRIOS DA SI...

FAPWINES ACRESCENTA ROSÉ ...

ESTUDO REVELA QUE 62% DOS...

“UM LOUVOR A MARIA” LEVA ...

MADRE TERESA ERA TANTO DE...

TOCADORES DE CONCERTINA R...

AUTORIDADES DE OURÉM FELI...

DEPUTADO MENDES CORREIA E...

OURIENSES FAZEM EXCURSÃO ...

ALVAIÁZERE: PUSSOS REALIZ...

OURÉM: RIBEIRA DO FÁRRIO ...

OURÉM: OLIVAL ESTÁ EM FES...

QUANDO VISITA OFICIALMENT...

CAÇADORES MARCAM ENCONTRO...

OURÉM TEM FESTA GRANDE NO...

OURÉM EVOCA DIÁSPORA E CU...

OFERTAS DE EMPREGO DA LIF...

OURÉM RECEBE EXPOSIÇÃO DE...

O ZOROASTRISMO E A SUA IN...

SANTUÁRIO DE FÁTIMA PROMO...

OURÉM: RIBEIRA DO FÁRRIO ...

ALVAIÁZERE: PUSSOS REALIZ...

OURIENSES FAZEM EXCURSÃO ...

PAPA ENVIA CARTA AO 24º C...

SANTUÁRIO DE FÁTIMA CELEB...

OURÉM LEVA MÚSICA, DANÇA,...

OURÉM REGRESSA À IDADE MÉ...

OURÉM: FREIXIANDA ESTÁ EM...

ALVAIÁZERE REALIZA FESTIV...

RIO DE COUROS REALIZA FEI...

ALVAIÁZERE: PELMÁ ESTÁ EM...

TOCADORES DE CONCERTINA R...

PARTIDO "OS VERDES" COLOC...

SINDICATO DOS TRABALHADOR...

OURÉM REGRESSA À IDADE MÉ...

OFERTAS DE EMPREGO DA LIF...

SINDICATO DOS TRABALHADOR...

arquivos

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

tags

todas as tags

links
Twitter
blogs SAPO
subscrever feeds