Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Ourém.
Quinta-feira, 7 de Outubro de 2010
A República e a sua periodização histórica

A periodização histórica do regime republicano

 
Numa altura em que se realizam as celebrações do centenário da implantação da República em Portugal, debate-se ainda a sua periodização histórica, havendo quem preconize que o atual regime nascido com a “revolução dos cravos” deve ser classificada como “II República”, alegando que o período do Estado Novo constituiu uma ditadura e, por conseguinte, não deve ser considerado uma forma de regime republicana.

Tal asserção levaria a que considerássemos, entre outros aspectos, que o regime republicano no nosso país apenas teria pouco mais de meio século de duração, o que não corresponde à realidade.

Na realidade, esta apreciação que deve ser entendida exclusivamente do domínio da análise histórica e, por conseguinte, afastar as motivações de natureza ideológica que lhe estão subjacentes, prende-se com a natureza política do regime que adoptou para si a designação de “Estado Novo”, pretendendo como isso demarcar-se das conceções parlamentaristas e liberais até então dominantes, sugerindo a construção de um novo modelo autoritário e corporativista, neste aspecto mais de acordo com as instituições medievais e renascentistas. Coloca-se aqui, a questão a saber se o Estado Novo manteve ou não as instituições republicanas ou, pelo contrário, assumiu a forma de uma verdadeira ditadura.

Com efeito, a I República foi proclamada em Lisboa em 5 de Outubro de 1910, por um grupo de militares e carbonários que dessa forma colocaram termo à Monarquia Constitucional até então em vigor. Porém, em rigor, deve o seu início ser considerado com a aprovação da Constituição Política de 1911, excluindo-se portanto o espaço de tempo em que Teófilo Braga se manteve à frente do governo provisório. A I República constituiu um regime parlamentar no qual o Presidente da República era diretamente eleito pelo Congresso e não por escrutínio popular. De resto, o sistema eleitoral não contemplava o sufrágio universal.

Em 28 de Maio de 1926, a I República é derrubada por meio de golpe militar desencadeado a partir de Braga e que obtém grande adesão popular. Este dissolve o parlamento e põe termo à Constituição Política de 1911. É instaurado um regime de exceção que é denominado por “Ditadura Nacional”, o qual perdura até 1933, altura em que é referendada e entra em vigor uma nova Constituição política que entretanto é elaborada. Em rigor histórico, tem aqui o seu início a II República, ainda que o regime nunca tenha assumido tal designação. Na realidade, o regime do Estado Novo não suprime as instituições republicanas como vem a reforçá-las, conferindo-lhes apenas uma nova forma de acordo com a nova arquitetura política. O Presidente da República passou a ser eleito por sufrágio direto e o direito de voto foi alargado às mulheres. Ao contrário do que sucedia anteriormente, a formação do governo deixa de emanar do parlamento para passar a ser feita a convite do próprio Chefe de Estado, caraterística que paradoxalmente se mantém no atual regime. A consolidação das instituições que se verifica durante este período é, aliás, suficiente para afastar a discussão da natureza do regime e reduzir quase à insignificância os adeptos da restauração da monarquia.

Ao contrário do que algumas vozes afirmam, o regime do Estado Novo não configura um modelo de ditadura no sentido em que tal designação indica ou seja, a existência de um indivíduo ou grupo que dita a lei e não responde perante qualquer órgão constitucionalmente estabelecido. Da mesma forma que a classificação de “fascismo” para designar o regime autoritário que vigorou até ao 25 de Abril de 1974 não possui qualquer fundamentação científica mas apenas motivação política e ideológica carregada de subjetividade. Quanto à existência de meios de repressão e outros mecanismos de preservação do poder, essa constitui uma caraterística que é comum a todos os regimes e não apenas um exclusivo do Estado Novo.

Após um período conturbado de transição no qual se confrontaram dois modelos distintos de governação – o sistema do chamado “poder popular” configurado no “Documento COPCON” e o sistema de democracia representativa defendido pelo “Documento dos Nove” – a atual Constituição política viria a ser aprovada em 25 de Abril de 1976, dando origem à III República, caraterizada por um regime semi-parlamentar no qual, apesar dos cidadãos serem chamados a eleger deputados ao parlamento, o governo é indigitado diretamente pelo Presidente da República tendo em consideração os resultados eleitorais.

Decorridos trinta e cinco anos e verificando-se nomeadamente um elevado índice de abstenção política que persiste e tende a aumentar, o reconhecido afastamento da maioria da população relativamente aos partidos políticos, questiona-se cada vez mais a necessidade de se proceder a uma reforma do sistema político, à introdução de alterações quanto à sua forma de funcionamento e, eventualmente, à necessidade de se adoptar uma nova constituição política. A concretizar-se, facto que não implicaria necessariamente o estabelecimento de um regime autoritário como por vezes se pretende, isso representará a instauração de um novo sistema a que, com toda a propriedade, poderemos classificar como IV República.

A classificação das diferentes fases do regime republicano tem a ver sobretudo com a sua periodização histórica e é norteada por critérios de ordem científica. O historiador não tem que submeter a sua apreciação rigorosa a critérios que nada têm a ver com a História. E não são seguramente os políticos que, por não quererem reclamar um legado que legitimamente não lhes pertence, estarão habilitados para estabelecer uma periodização da História da República de acordo com as suas conveniências. Para todos os efeitos, do ponto de vista histórico, o período de vigência do Estado Novo deve ser considerada a II República e não uma anomalia no processo histórico.

 

GOMES, Carlos. in http://www.falcaodominho.pt/jornal/index.php

 

 citações: http://o.castelo.vai.nu/miradouro/



publicado por Carlos Gomes às 12:06
link do post | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

13
17
19


27
28
29
30
31


posts recentes

AMANHÃ COMEMORA-SE O DIA ...

PORQUE É O PARTIDO COMUNI...

ESCOLA DE HOTELARIA DE FÁ...

FREIXIANDA PREPARA-SE PAR...

MUNICÍPIO DE OURÉM ADQUIR...

MUNICÍPIO DE OURÉM EXIGE ...

A FEIROURÉM ESTÁ DE REGRE...

LEIRIA FAZ RECRIAÇÃO HIST...

FÁTIMA REALIZA FESTIVAL D...

FESTA DOS TABULEIROS DE T...

XIV FESTAMBO: CAXARIAS RE...

FESTA DA CRIANÇA EM OURÉM

FREIXIANDA COMEMORA 23º A...

ATOUGUIA FESTEJA À SENHOR...

OFERTA FORMATIVA DAS ESCO...

ALVAIÁZERE APOSTA NO EMPR...

OURÉM REALIZA NO OLIVAL F...

ALVAIÁZERE PARTICIPA EM L...

OURÉM PROMOVE FÉRIAS ARQU...

ALVAIÁZERE COMEMORA SEMAN...

OURÉM RECEBEU PRESIDENTE ...

OURÉM REÚNE EXECUTIVO MUN...

A MÁSCARA VOLTA A ENCANTA...

TOMAR RECRIA ROMARIA TRAD...

PAULO FERRAZ DESISTE EM P...

“DESTINO INCERTO” SOBE À ...

OURÉM PROMOVE AÇÃO DE SEN...

SANTUÁRIO DE FÁTIMA RECEB...

PAN QUER ACABAR COM AS CO...

BLOGS PORTUGAL REALIZA 8ª...

MÁSCARAS TRADICIONAIS DES...

OURÉM REALIZA FESTIVAL DE...

FEDERAÇÃO DO FOLCLORE POR...

ALVAIÁZERE CELEBRA APANHA...

POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBL...

MUNICÍPIO DE OURÉM RECEBE...

FEDERAÇÃO DO FOLCLORE POR...

RIO DE COUROS REALIZA FES...

MUSEU DE ARTE SACRA E ETN...

MUNICÍPIO DE ALVAIÁZERE A...

MUSEU DE ARTE SACRA E ETN...

VÁ A FÁTIMA E VISITE A SA...

OLIVAL: MOLEIROS DA RIBEI...

ASSOCIAÇÃO DE PROTECÇÃO &...

BISPO EMÉRITO DE HONG KON...

MÁSCARAS TRADICIONAIS DES...

A PARTICIPAÇÃO JOVEM NÃO ...

OURÉM MAIS LIMPO 2018

TOMAR LEVA FESTA DOS TABU...

FEDERAÇÃO DO FOLCLORE POR...

arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

tags

todas as tags

links
Twitter
blogs SAPO
subscrever feeds