Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Ourém.
Terça-feira, 27 de Março de 2012
ACTOR TARQUÍNIO VIEIRA ENSAIOU GRUPO DRAMÁTICO EM VILA NOVA DE OURÉM

Terá sido orientado pelo Dr. Luís da Cunha Nogueira, “ilustre apaixonado da Arte de Representar” que “pacientemente ensaiava no 1.º período escolar os estudantes – e que bom ensaiador! – para as récitas do 1.º de Dezembro” (1) , talvez no ano de 1908, em Ponte de Lima, o primeiro desempenho cénico de Tarquínio Vieira. Mais tarde, entre 1914 e 1916, frequentando o Liceu Central Sá de Miranda, em Braga, “evidenciou-se, (…) em virtude do belo desempenho no papel que lhe foi confiado “, tendo-lhe “os jornais da capital da província e “O Primeiro de Janeiro” feito “a justiça devida, nas apreciações a respeito do seu trabalho”.(2)

Em Outubro de 1916 ingressou, no Conservatório de Lisboa, na Escola da Arte de Representar, tendo como colegas, entre outros, Vasco Santana e Laura Costa. No início de 1918 abandonou o curso, quando seguia o 2.º dos 3 anos do mesmo, e teve a sua primitiva experiência em ambiente profissional: é o Luís António na peça O Conde Barão que a Companhia Aura Abranches-Chaby Pinheiro leva, em estreia, no Teatro Politeama, de Lisboa, de 30 de Janeiro a 05 de Maio de 1918. No desempenho pontificavam, para além dos titulares, Estêvão Amarante, Luz Veloso, Luísa Satanela, Ribeiro Lopes e Araújo Pereira.

Antes, ainda na Escola da Arte de Representar, tinha participado na 1.ª Audição Pública Gratuita desse ano lectivo, a 30 de Dezembro de 1917, como Pessival, no Auto de Mofina Mendes, de Gil Vicente, ao lado de Hortense Luz (Mofina), Artur Duarte (Paio Vaz) e Vasco Camelier (André), e Afonso, no Auto Pastoril Português, também de Gil Vicente, acompanhado no desempenho por Marina Pereira, Vasco Camelier, Artur Duarte, João Nóbrega, Theófilo Corrêa, Maria Silva, Josefa Lloriente, Ofélia Brochado e Lucinda Pereira.

Depois, e durante mais de dois anos, a vida teatral parece não ter contado com o seu nome. Sabe-se que, em Lisboa, frequentou os cursos de letras e de direito, que foi professor do ensino livre (desconhecemos se por essa época) e que aquela sua passagem pela Companhia Aura Abranches-Chaby Pinheiro não faz parte dos registos teatrais com a sua assinatura.

Em Outubro de 1920 está na Companhia da Sociedade Teatral Limitada, Empresa António Macedo, então no Teatro da Trindade, de Lisboa, e participa na peça A Boneca Misteriosa, que o actor aponta como sua estreia profissional. Essa Companhia tinha como principais figuras Ângela Pinto e Ferreira da Silva.

Em 1921, no Teatro do Ginásio, em Lisboa, integra o elenco da peça O Célebre Pina, levada à cena pela Companhia de Alves da Cunha. Aquando do incêndio nessa sala de espectáculos, ocorrido na madrugada de 6 de Novembro, já Tarquínio Vieira estava admitido na Companhia de Maria Matos-Mendonça de Carvalho, então a actuar no Porto, no Teatro Sá da Bandeira. E é com Maria Matos que, entre Abril e Outubro de 1922, vai em digressão ao Brasil, e poderá ter participado, antes e nesse mesmo ano, na inauguração do Teatro de Vila Nova de Cerveira.

Em 1923, no Teatro de S. Carlos, em Lisboa, na Companhia de Palmira Bastos, entra nas peças A Chama e A Dama das Camélias. Depois é contratado pela Companhia Rey Colaço-Robles Monteiro, ainda em 1923, na qual permanece até meados de 1925 e onde o seu nome começa a ganhar alguma projecção.

Convidado por Gil Ferreira, seu colega na Companhia de Amélia Rey Colaço, é um dos elementos que se instala no reconstruído Teatro do Ginásio, em Lisboa, cuja reinauguração ocorre a 27 de Novembro, com a Guerra ao Vinho. À Companhia pertence, também, Palmira Bastos.

Com está Companhia, Palmira Bastos-Gil Ferreira, vai trabalhar até Setembro de 1926, e é nela que realiza os seus primeiros espectáculos profissionais na sua terra natal, Ponte de Lima. No Teatro Diogo Bernardes entra nas peças O Rosário, a 8 de Julho de 1926, e, no dia seguinte, Vida e Doçura.

Em Janeiro de 1927, no S. Carlos, de Lisboa, entra na peça Mulher…, na Companhia Palmira Bastos-Clemente Pinto. Sai, logo no início do mês seguinte, desta Companhia ingressando, de seguida, na de Nascimento Fernandes, instalada no Teatro Politeama, de Lisboa. Aqui debutou como actriz Conchita Ulia, famosa cantante espanhola, em O Turco do Kalhariz (opereta sem música), que com Tarquínio Vieira formou um dueto de amor “primorosamente realizado.”(3)

Em Novembro de 1927, na Companhia Palmira Bastos-Alexandre de Azevedo, está no Teatro do Ginásio, em Lisboa. Com esta direcção trabalha até Janeiro de 1929, e com ela visita Ponte de Lima, onde, no Teatro Diogo Bernardes, entra no desempenho de três peças, em Novembro de 1928: a 28 é D. José, em A Severa, a 29 é Simão Botelho, do Amor de Perdição, a 30, Pedro Medeiros, de A Noite de Casino.

Em Fevereiro de 1929 ingressa na Companhia Ester Leão-Alexandre de Azevedo, de início no Teatro Apolo, em Lisboa, depois no Nacional, na mesma cidade, regressando posteriormente ao Apolo, após estadia no Porto, no Sá da Bandeira. É nesta Companhia que faz a última visita profissional a Ponte de Lima, onde, a 7 e 8 de Junho de 1930, são apresentadas as peças O Processo de Mary Dugan e A Ameaça.

Em Maio de 1929, no Politeama, com Maria Matos, Aura Abranches, Raul de Carvalho, e outros, vai dar um pé de “Charleston”, em ligeira diversão ao seu trabalho na Companhia de Ester Leão-Alexandre de Azevedo.

Em finais de 1930, sedeada no Teatro do Ginásio, de Lisboa, está em nova companhia, tutelada por Palmira Bastos e onde, em 22 de Janeiro de 1931 é apresentada a peça A Dama do Sud, estreia como dramaturgo do talentoso Reinaldo Ferreira, Repórter X, homem de vida curta e trágica.

Em Março de 1931, integra o elenco da Companhia Adelina-Aura Abranches e, nela, coopera na interpretação da peça P.S.P.. No mesmo mês, no Teatro do Ginásio, em Lisboa, inicia a participação na Companhia Artistas Socializados, como protagonista na peça A Vida de Cristo. Nesta companhia estão, entre outros, Cremilda de Oliveira, Silvestre Alegrim, Irene Gomes.

Depois, no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, é um dos elementos do comprido elenco da oratória Santo António, organizado pelo Grémio dos Artistas Teatrais e em benefício dos actores desempregados. Posteriormente, no Politeama, faz “A Missa do Galo”, de Amadeu do Vale.

Durante algum tempo, em 1932, em Vila Nova de Ourém, ensaia grupo dramático local. Nesse ano, a partir de Outubro, e prolongando-se pelo ano seguinte, faz parte dos Profissionais de Teatro Associados que, no Teatro Maria Vitória, em Lisboa, levam à cena a opereta Fonte Santa, a farsa musicada O Grande Salvador e a revista Feijão-frade. Neste grupo estão, por exemplo, Maria Cristina, Maria Sampaio, Teresa Gomes, Álvaro de Almeida, Barroso Lopes, Joaquim Prata, e inicia-se, nas lides teatrais, a fadista Hermínia Silva.

Passa pela Companhia de Ilda Stichini, instalada no Teatro de S. Carlos, em Lisboa, e vê-se atingido pelo acidente rodoviário que está sofreu, a 18 de Setembro de 1933, no Alentejo e levou à interrupção da digressão que estava a ser efectuada por terras do sul.

Chamado pela Companhia Rey Colaço-Robles Monteiro, no Teatro Nacional, em Lisboa, de 09 de Dezembro de 1933 a 10 de Janeiro de 1934, é um dos principais intérpretes da peça Aquela noite!

Entra, no Teatro do Ginásio, em Lisboa, no “Chalet das Aflições”, que não tira a novel Companhia de Comédia e Farsa Musicada, organizada por iniciativa de Gil Ferreira, dos apertos que a fariam soçobrar de imediato.

Convidado, creio que por Alexandre de Azevedo, é um dos actores que na Emissora Nacional, ainda na sua fase experimental, declamam teatro. Existem apontamentos da sua participação em teatro radiofónico em 1934 e 1935, pelo menos.

Em 1934 e em 1935, ao serviço da Companhia Lucília Simões-Erico Braga, no Teatro do Ginásio, em Lisboa, actua em diversas peças. É um dos actores que faz parte do elenco da peça Deus lhe pague, de Joracy Camargo, que Procópio Ferreira trouxe a Lisboa.
      Passa, ainda em 1935, por outros grupos, nos Teatros de S. Luiz e Apolo, de Lisboa.

Em 1936, no Teatro Variedades, entra no João Ninguém, com Mirita Casimiro, e na Morena-Clara, com essa actriz, Vasco Santana e António Silva. Participa, ainda, nas filmagens de Bocage, de Leitão de Barros, e inicia a sua colaboração com a Companhia do Teatro da Trindade, de Lisboa, onde estavam Palmira Bastos, Erico Braga, Ribeirinho e um naipe de artistas de grande talento. E nesta Companhia permanece até 1938, ano em que, no Maria Vitória, entra em Os Garotos, com Dina Teresa, Maria Cristina e outros.

Ainda em 1938 tem problemas de saúde que o levam ao internamento, com necessidade de intervenção cirúrgica, no Hospital de Arroios. Daí sai para, com Brunilde Júdice e Nascimento Fernandes, ser um dos Artistas Unidos que, no Teatro Politeama em Lisboa, representa a Rosa de Alfama.

1939 e 1940 não foram fáceis para Tarquínio Vieira. Envolveu-se em vários projectos não concretizados, participou em digressões reunindo actores de primeiro plano, mas sem vedetas para atrair o público, e a “neutralidade” portuguesa perante o conflito mundial impediu, depois de a ter autorizado, a exibição da peça Os Aliados, de Fernando Santos e Almeida Amaral que um grupo de actrizes e actores estava a ensaiar no Teatro Variedades, de Lisboa. Eram, elas e eles, para que conste, Adelina Abranches, Maria das Neves, Maria Florinda, Zéca Fernandes, António Silva, Alberto Reis, José Amaro, Álvaro de Almeida, Ricardo Santos Carvalho, Tarquínio Vieira, António Gomes, Carlos Viana e Agostinho Lopes.

Nos finais de 1940, prolongando-se para 1941, é contratado por António Macedo para a Companhia do Teatro Avenida, em Lisboa. São seus colegas Erico Braga, Clemente Pinto, Ribeirinho, Aura Abranches, Madalena Sotto, Laura Alves, entre outros.

Em 1941, Josephine Baker vem dar uma série de espectáculos, em Lisboa (no Teatro da Trindade) e no Porto (no Teatro Sá da Bandeira). Tarquínio Vieira é um dos portugueses contratados para participar nessa exibição. Curiosamente, sabe-se hoje que durante essas digressões Josephine Baker aproveitava para transmitir mensagens aos Aliados.

Parece que, apesar dos tempos difíceis da Grande Guerra, a ventura tinha mudado para Tarquínio Vieira. Ainda em 1941 intervêm na fugaz comédia-farsa A Casa da Sorte, no Teatro Variedades, em Lisboa, com Lucília Simões, António Silva, Costinha, Laura Alves e diversos.

No início de 1942 passa a ser um dos elementos da Companhia Francisco Ribeiro (Ribeirinho), de cujo rol fazem parte vários actores como Hortense Luz, Laura Alves, Luís Filipe, Barroso Lopes, Cremilda de Oliveira, etc.

      Em 1943, surge na Companhia Erico Braga-Ribeirinho, reforçada com Irene Isidro e Alberto Ghira e dela saindo alguns nomes, como o de Laura Alves.

Nos finais de 1943 entra para a Companhia do Apolo, onde está Ribeirinho, Madalena Sotto e Hortense Luz. É praticamente esta companhia que, ainda no Apolo, em Abril de 1944, vai levar à cena a opereta popular A Rosa Cantadeira, com Amália Rodrigues e Hermínia Silva. Tarquínio Vieira sai do elenco em plena exibição da peça para integrar, da Empresa António de Macedo, a Companhia Portuguesa de Comédias, onde avultam Aura Abranches, Madalena Sotto e José Gamboa. Também nesse ano participa, no Teatro Variedades, em Lisboa, na peça Testa de Ponte, acompanhando um grupo onde estão Erico Braga, Raul de Carvalho, Alfredo Ruas, Maria Helena, Eunice Muñoz. Com Madalena Sotto e Alves da Cunha, agora no Teatro Avenida, de Lisboa, é um dos componentes para a interpretação de Liberdade Provisória. Ainda em 1944, incorpora-se na Companhia do Teatro Maria Vitória, onde sobressaem Mirita Casimiro e Vasco Santana. Termina o seu contrato com esta companhia em Março de 1945 e, de imediato, admite-o a de Maria Matos, onde estão, na altura, Eunice Muñoz e Erico Braga.

Trabalha, em 1946, na Companhia Os Cómicos Populares, radicados no Teatro Apolo, de Lisboa. A essa companhia pertencem Maria Matos, Costinha, Eunice Muñoz. Nesse ano é estreado o filme O Cais do Sodré, de Alejandro Perla, sendo Tarquínio Vieira um dos actores. Faz entre 19 de Junho e 27 de Setembro a digressão na Companhia do Teatro do Povo, dirigida por Alberto Ghira, e tendo por colegas Emília de Oliveira, Margarida de Almeida, Beatriz de Almeida, Paiva Raposo e Henrique Santos. Em Outubro é anunciado como pertencendo à companhia que vai trabalhar no Teatro Variedades, ao lado de Vasco Santana. A doença não o vai permitir. Regressa aos palcos em Dezembro, no Teatro Avenida, com Irene Isidro e António Silva, primeiro, depois, já em 1947, com Costinha e Luísa Durão.

Entre Junho e Setembro de 1947 segue na viagem do Teatro do Povo, com o mesmo elenco do ano anterior, naquelas que foram, possivelmente, as últimas aparições em palco de Tarquínio Vieira. Em Março de 1948 a doença afastou-o de cena. Já não conseguiu efectuar a digressão do Teatro do Povo e, um ano após, a imprensa refere que “o actor Tarquínio Vieira não ingressa no elenco deste ano do Teatro do Povo em vista do seu estado de saúde não lho permitir.” (4)

Este actor, nascido em Ponte de Lima a 28 de Novembro de 1894, faleceu em Lisboa a 14 de Agosto de 1960. Não ficou famoso, embora o seu nome não esteja completamente olvidado. Ainda na actualidade um dos maiores actores portugueses, Ruy de Carvalho, o refere como uma das suas primitivas memórias cénicas.

(1)- Mário Gonçalves Ferreira, jornal Cardeal Saraiva, n.º 2091,

(2)- Jornal Rio Lima, Ano 3, n.º 31, 21 de Março de 1926.

(3)- Diário de Lisboa, n.º1.863, 7 de Maio de 1927.

(4)- Diário de Lisboa, 16 de Maio de 1949.

José Sousa Vieira in http://limianismo.blogspot.pt/



publicado por Carlos Gomes às 21:49
link do post | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

OURÉM RECEBE "PETIT" - UM...

BOMBEIROS DA FREIXIANDA A...

JOSÉ CID CANTA NA FEIRA N...

O QUE DISSE ANDRÉ SILVA, ...

OURÉM ABRE CONCURSO PARA ...

JOVENS DE OURÉM PREOCUPAD...

MUSEU MUNICIPAL DE OURÉM ...

FÁTIMA EXPÕE SOBRE A AMAZ...

ALVAIÁZERE É A CAPITAL DO...

ALUNOS DA ESCOLA DE HOTEL...

PARTIDO SOCIALISTA TOMA P...

DIRECTORA EXECUTIVA DA IN...

FREIXIANDA RECEBE TEATRO ...

OURÉM APRESENTA "A MINHA ...

OURÉM REÚNE ASSEMBLEIA MU...

CÂMARA MUNICIPAL APOIA RE...

ROTA CARMELITA - FÁTIMA

TOMARENSES EM LISBOA CONF...

GRUPOS FOLCLÓRICOS DESFIL...

ALVAIÁZERE ARRENDA PARQUE...

MUSEU MUNICIPAL DE ALVAIÁ...

CASA DO CONCELHO DE TOMAR...

SOCIALISTAS DE OURÉM CONT...

ALVAIÁZERE ABRE INSCRIÇÕE...

FREIXIANDA INAUGURA FEIRA...

MUNICÍPIO DE ALVAIÁZERE G...

SOLIDARIEDADE COM OS BOMB...

FEDERAÇÃO DO FOLCLORE POR...

OURÉM EVOCA AGOSTINHO ALB...

MARIA BEATITUDE EXPÕE PIN...

ACISO É CONTRA A TAXA MUN...

MUSEU MUNICIPAL DE OURÉM ...

CENTRO NACIONAL DE CULTUR...

FREIXIANDA REALIZA FEIRA ...

PAN APRESENTA PROGRAMA EL...

FREIXIANDA PROMOVE FEIRA ...

FREIXIANDA PROMOVE FEIRA ...

OUREENSES APRENDEM A JOGA...

FREIXIANDA REALIZA FEIRA ...

BOMBEIROS DA FREIXIANDA A...

PAN INSTA GOVERNO A INTER...

MUSEU MUNICIPAL DE OURÉM ...

PISCINAS MUNICIPAIS DE AL...

MUSEU MUNICIPAL DE OURÉM ...

TOY ACTUA HOJE NA FREIXIA...

CENTRO DE SAÚDE DA FREIXI...

INVESTIGAÇÃO DA UNIVERSID...

PAN ANUNCIA CABEÇAS DE LI...

"REVOLTA DO BACALHAU" PER...

CANTOR TOY ANIMA FESTAS D...

arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

tags

todas as tags

links
Twitter
blogs SAPO
subscrever feeds