Espaço de informação e divulgação da História, Arte, Cultura, Usos e Costumes das gentes de Ourém.

Terça-feira, 13 de Novembro de 2018
"O ANJO DE PORTUGAL" DA ESCULTORA CARVALHEIRA DA SILVA REGRESSA A VILA NOVA DE CERVEIRA

‘O Anjo de Portugal’ enriquece exposição de homenagem a Carvalheira da Silva

Depois de ter integrado as comemorações do Centenário das Aparições de Fátima, o molde da obra ‘O Anjo de Portugal’ de Carvalheira da Silva, regressou a ‘casa’ e encontra-se exposto, a partir de hoje, no Arquivo Municipal de Vila Nova de Cerveira. Peça emblemática acrescenta valor à exposição de homenagem que a Câmara Municipal inaugurou a 1 de outubro, intitulada ‘Contemplação de Arte Sacra’ - Vida e Obra de Carvalheira da Silva, e que pode ser visitada até março de 2019.

IMG_8322

Maria Amélia Carvalheira da Silva é considerada um dos expoentes máximos da arte sacra portuguesa, com raízes na freguesia de Gondarém. Vila Nova de Cerveira faz parte da sua história, pessoal e profissional, integrando o roteiro de obras espalhadas em locais tão icónicos como o Santuário de Fátima e o Vaticano, pelo que a Câmara Municipal concretizou uma vontade antiga de lhe dedicar uma exposição.

“Além de honrar a sua memória, a vida e obra da escultora cerveirense Carvalheira da Silva é demasiado valiosa para cair no esquecimento. Não podemos nem devemos privar os nossos filhos e netos de conhecer a pessoa e de contactar com o seu percurso artístico de sucesso”, realçou o autarca cerveirense Fernando Nogueira, no ato inaugural da exposição, no Dia do Município.

Patente no Arquivo Municipal até março de 2019, a mostra ‘Contemplação de Arte Sacra’ - Vida e Obra de Carvalheira da Silva - apresenta ao público cerca de 20 peças da escultora, um vasto registo informativo e fotográfico da sua carreira, bem como a condecoração "Pro Eclesia et Pontífice" atribuída pela Santa Sé e o Grau de Comendadora da Ordem de Mérito pelo então Presidente da República, Dr. Mário Soares.

Escultora de arte sacra, é em Fátima que tem a parte mais significativa da sua obra, nomeadamente ‘O Anjo de Portugal’, a escultura de Nossa Senhora e todas as Estações da Via-Sacra existentes nos Valinhos, assim como demais esculturas de cariz religioso espalhadas de Norte a Sul de Portugal, bem como em vários países.

Pelas raízes pessoais e profissionais a Vila Nova de Cerveira, Carvalheira da Silva doou à Câmara Municipal o molde da obra em gesso modelado e madeira, ‘O Anjo de Portugal’, cujo original se encontra no monumento construído em 1958, na Loca do Cabeço, a dar a comunhão aos três Pastorinhos de joelhos.

jardim-amc3a9lia-carvalheira-cara

Quem foi Carvalheira da Silva?

Maria Amélia Carvalheira da Silva nasceu em Gondarém, Vila Nova de Cerveira, 4 de Setembro de 1904, e faleceu em Lisboa a 31 de Dezembro de 1998. Foi uma escultora portuguesa.

Foi discípula de Salvador Barata Feyo. Em 1949, venceu o Prémio de Artes Plásticas Mestre Manuel Pereira, com a obra S. João de Deus, em barro policromado, que está exposta na capela do Palácio da Cruz Vermelha. Marcou presença em várias exposições, a título individual, em Portugal e no estrangeiro.[1]

É autora da escultura O Anjo de Portugal, e ainda da escultura de Nossa Senhora e de todas as Estações da Via-Sacra existentes nos Valinhos, em Fátima, assim como demais esculturas de cariz religioso espalhadas de Norte a Sul de Portugal.

Em 1992, recebeu, das mãos do então Cardeal Patriarca de Lisboa, D. António Ribeiro, a condecoração da Santa Sé Pro Eclesia et Pontificia. Em 28 de maio de 1992, foi feita Comendadora da Ordem do Mérito pelo Presidente Mário Soares.

A Câmara Municipal de Lisboa atribuiu o seu nome a um jardim na freguesia das Avenidas Novas.

Fonte: Wikipédia

800px-AnjodePortugal

Fonte: https://bloguedominho.blogs.sapo.pt/



publicado por Carlos Gomes às 16:32
link do post | favorito

Quarta-feira, 7 de Novembro de 2018
BANDA DE VILAR DE PRAZERES DESFILA EM LISBOA NAS COMEMORAÇÕES DA RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA NACIONAL

O Movimento 1º de Dezembro lançou a ideia deste grandioso Desfile e mobilizou por todo o país, com o apoio dos seus delegados e da Confederação Musical Portuguesa, diferentes bandas e municípios.

18057853_1672576243038546_5423670472369155480_n

É possível realizá-lo graças ao apoio da Câmara Municipal de Lisboa e à capacidade de organização da EGEAC. A iniciativa conta também com o endosso da SHIP - Sociedade Histórica da Independência de Portugal, que o incluiu no Programa Oficial das Comemorações do 1º de Dezembro, e com a colaboração da CMP – Confederação Musical Portuguesa. Agradecemos também o apoio facultado pelo "Recheio" e pelo "Amanhecer", assim como a cobertura e transmissão pela RTP.

O Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas "1º de Dezembro" foi um êxito em 2012, 2013, 2014, 2015, 2016 e 2017. Será êxito maior em 2018.

14h30 - Concentração junto ao Monumento aos Mortos da Grande Guerra, na Avenida da Liberdade (ao Cinema S. Jorge)

15h00 - Início do Desfile

16h30 - Concentração final, na Praça dos Restauradores, e Apoteose Final com interpretação conjunta por 1.900 músicos dos três hinos: Hino da Maria da Fonte, Hino da Restauração e Hino Nacional.

17h00 - Fecho e desmobilização das bandas

Nesta 7ª edição, desfilarão as seguintes bandas e grupos, aqui ordenados por géneros e por ordem alfabética dos distritos e concelhos respectivos:

GRUPOS DE PERCUSSÃO:

  • Tocándar (Marinha Grande)
  • Grupo de Bombos de Atei (Mondim de Basto)

BANDA NACIONAL:

  • Banda de Música da Força Aérea

BANDAS FILARMÓNICAS:

  • La Filarmónica de Olivenza (Olivença)
  • Banda Velha União Sanjoanense (Albergaria-a-Velha - São João de Loure)
  • Banda da Sociedade Filarmónica União Mourense "Os Amarelos" (Moura)
  • Associação Filarmónica Vilarinhense de Vilarinho de Castanheira (Carrazeda de Ansiães)
  • Banda Filarmónica de Felgar (Torre de Moncorvo)
  • Associação Filarmónica Retaxense (Castelo Branco)
  • Sociedade Filarmónica de Tinalhas (Castelo Branco)
  • Sociedade Filarmónica Oleirense (Oleiros)
  • Banda Filarmónica da União de Aldeia de João Pires (Sociedade Recreativa e Musical) - com o Grupo de Cantares de Pedrógão de São Pedro (Adufes) (Penamacor)
  • Associação Filarmónica Progresso Pátria Nova de Coja (Arganil - Coja)
  • Associação Filarmónica de Arganil (Arganil)
  • Banda de Ançã | Phylarmónica Ançanense (Cantanhede)
  • Associação Filarmónica Liberalitas Julia (Évora)
  • Banda da Sociedade Filarmónica Corvalense (Reguengos de Monsaraz)
  • Sociedade Filarmónica Artistas de Minerva (Loulé)
  • Sociedade Filarmónica Bendadense (Sabugal - Bendada)
  • Banda Academia de Santa Cecília (de São Romão) (Seia)
  • Sociedade Filarmónica Turquelense (Alcobaça)
  • Sociedade Filarmónica Alvaiazerense de Santa Cecília (Alavaiázere)
  • Centro Cultural Azambujense (Azambuja)
  • Banda 14 de Janeiro de Elvas (Elvas)
  • Associação Musical da Várzea (Amarante - Várzea)
  • Sociedade Musical 1.º de Agosto - Banda de Música de Coimbrões (Gaia - Coimbrões)
  • Sociedade Filarmónica de Crestuma (Gaia - Crestuma)
  • Associação Filarmónica 1º Dezembro Cultural e Artística Vilarense Reis Prazeres (Ourém - Fátima)
  • Sociedade Velha Filarmónica Riachense (Torres Novas - Riachos)
  • Sociedade Filarmónica Progresso Matos Galamba (Alcácer do Sal)
  • Banda Musical do Concelho de Sabrosa (Sabrosa)
  • Sociedade Musical 2 de Fevereiro - Banda de Santar (Nelas - Santar)
  • Sociedade Filarmónica Fraternidade de São João de Areias (Santa Comba Dão)
  • Filarmónica Recreio de Santa Bárbara (Terceira - Angra do Heroísmo)
  • SFUCO – Sociedade Filarmónica União e Capricho Olivalense (Lisboa)

Será um total de 35 entidades, integrando 2 grupos de percussão, 1 banda nacional militar e 32 bandas filarmónicas civis.

Cerca de 1900 músicos, provenientes dos mais diversos pontos do país, irão descer a Avenida da Liberdade para celebrar Portugal, a Independência nacional e a Restauração, através de uma merecida homenagem a esta prática musical e à importante acção formativa e cívica das bandas filarmónicas.

Tendo como ponto de partida o monumento aos Mortos da Grande Guerra, o desfile descerá até à Praça dos Restauradores, para uma interpretação conjunta final das Bandas participantes, sob a direcção do Maestro Capitão António Rosado, da Banda de Música da Força Aérea.

Ao longo do desfile, serão interpretadas várias marchas.

A apoteose final, com os músicos de todas as bandas formados em parada junto ao Monumento aos Restauradores, consiste na interpretação sequencial, como se de uma só orquestra se tratasse, dos Hino da Maria da Fonte, Hino da Restauração e Hino Nacional.

45596868_1963312017109243_6967114987714117632_n



publicado por Carlos Gomes às 23:07
link do post | favorito

MUNICÍPIO DE OURÉM ESTÁ ATENTO A CONSTRUÇÕES ESCOLARES

5 DE NOVEMBRO DE 2018

DECLARAÇÕES

ANTES DA ORDEM DO DIA

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO

REUNIÃO DE PRESIDENTES DA JUNTA

No dia 24 de outubro, à luz do que aconteceu no ano passado a seguir às eleições, decorreu uma reunião / jantar de trabalho promovida pelo executivo, com todos os Presidentes de Juntas de Freguesia do Município de Ourém, presidente da câmara, vereadores, chefe de gabinete e assessores.  Os vereadores do Partido Socialista, porque não foram convidados nem informados da reunião, gostariam de conhecer:

  1. a ordem de trabalhos;
  2. os resultados alcançados relativamente a cada junta de freguesia.

FALTA DE AQUECIMENTO EM ALGUMAS ESCOLAS DE OURÉM

Várias pessoas do concelho têm-nos feito chegar algumas queixas, dando nota que existem escolas em Ourém, onde o aquecimento não está ainda a funcionar, não percebendo, com o frio que já se faz sentir, como tal pode estar a acontecer.

Desta forma, os Vereadores do PS gostariam de questionar o Sr. Presidente sobre a razão deste facto e até quando se prevê que esta situação se mantenha, pois seria de todo previsível e programável que esta situação não ocorresse.

 

REABILITAÇÃO DO ANTIGO MERCADO MUNICIPAL DE OURÉM

Foi adjudicado o projeto para reabilitação do antigo Mercado Municipal de Ourém para o Fórum Cultural, à empresa TEPAG (Planeamento, Arquitetura e Engenharia, Lda.), do Grupo Tecnorém, com sede em Odivelas, pelo valor de 72.980 euros, a que acresce o IVA à taxa legal. 

O documento assinado a 9 de outubro, pelo Sr. Presidente Luís Albuquerque e Eng.ª Isabel Baptista, define que o contrato tem 120 dias de duração e o pagamento será faseado, conforme seja a entrega do projeto e dos projetos de especialidades, entre outros. 

Os Vereadores do PS pretendem que o Sr. Presidente os elucide sobre este contrato, indicando:

  1. o porquê de realizar um novo projeto e não fazer aproveitamento do já existente na Câmara, duplicando recursos;
  2. qual a mais valia do novo projeto face ao anterior.

Os pedidos de esclarecimento serão respondidos por escrito, diz o sr. presidente

ORDEM DO DIA

DOCUMENTOS PREVISIONAIS PARA O ANO ECONÓMICO DE 2019

Proposta Camarária relativa aos Documentos Previsionais para o ano económico 2019 – Orçamento; Grande Opções do Plano para o Quadriénio 2019 – 2022

DECLARAÇÃO DE VOTO

Vem à Reunião de Camara a Proposta do Executivo PSD/CDS relativa aos Documentos Previsionais para o ano económico 2019, nomeadamente o Orçamento que se cifra em 42.961.350 euros, bem como as Grandes Opções do Plano.

A preparação dos documentos económicos e a apresentação das GOP´s é o exercício mais importante da governação política, pois tal exercício permite traduzir em números, e posteriormente em prática, a estratégia política definida em discurso.

O que nos é apresentado para analisar e decidir o nosso sentido de voto, é ainda um misto do passado, das estratégias políticas implementadas pelo anterior executivo, e das novas estratégias delineadas pelo atual executivo do PSD/CDS.

O atual clima político, económico e a sustentabilidade das finanças locais dificilmente podiam ser melhores. Do ponto de vista político, o documento é sustentado por uma maioria estável, quer no executivo camarário quer na Assembleia Municipal, antecipando-se facilmente a aprovação dos documentos em causa.

Também o atual ambiente político na República é estável não contagiando qualquer efeito nefasto para o Poder Local, o que é muito positivo para a estabilidade da sua governação. Do ponto de vista económico, vivemos hoje um momento de maior tranquilidade com níveis de crescimento bastante aceitáveis, tendo o Governo da República projetado para 2019, um crescimento de 2,2% e o melhor défice orçamental da nossa democracia (0,2%).

Esta performance económica tem os seus efeitos imediatos ao nível da governação camarária, refletindo-se no aumento de impostos e taxas resultantes quer da cobrança direta de receita, quer das transferências vindas do Governo Central – cujo aumento previsto para o nosso município e inscrito neste orçamento é de 5,8%.

Também a melhoria da economia terá efeitos na redução nas prestações sociais libertando valores para outras rubricas. O bom controlo das contas públicas deixa de asfixiar as contas dos municípios, o que se reflete num bom ambiente económico favorável à execução de um bom orçamento.

Por fim, a boa saúde económico-financeira que as contas do município de Ourém gozam, é por si só um facto de relevo, determinante para que se possa encarar um exercício financeiro estável e projetar o que antes era muito difícil de implementar. Foi à custa da austeridade dos últimos anos, levada a cabo nos anos de governação socialista desta Câmara, que hoje temos um orçamento que se torna num exercício fácil e sem asfixia.

Traduzindo esta retórica em números, podemos observar que para 2019, fruto da forte diminuição do passivo onerado, os juros e encargos a pagar são de apenas 75.000 euros e o valor dos Passivos Financeiros a liquidar são de 3.028.000 euros. Comparando este valor com o início do ciclo da governação socialista em 2010, na altura de 4.754.000 euros, estamos perante um alívio de cerca de 1.725.000 euros – convenhamos: dá para fazer muita coisa boa!!!

Apesar deste bom clima, o Executivo não aproveita esta oportunidade. A receita de governação que pretende impor no decorrer do ano de 2019, é o apanágio dos governos do PSD/CDS durante o período da troika… aliás, vai para além da troika!

Como anteriormente foi referido, o clima positivo político e económico acarreta consigo automatismos e relações intrínsecas que geram por si só aumento de receitas por via da melhoria dos indicadores socioeconómicos.

Isto, aliado ao facto de as contas do Município gozarem de boa saúde, não justifica de modo nenhum, as soluções apontadas pelo Executivo para “criar” receitas, nomeadamente a Receita resultante da Taxa Municipal de Ocupação Turística, cuja verba inscrita para o Orçamento de 2019 é de 400 mil euros, e o enorme aumento das taxas e serviços de saneamento e de Resíduos Urbanos, no valor aproximado de 1.700.000 euros, também já inscritas neste orçamento.

Aliás, o facto de quer a taxa turística, quer o Projeto de Revisão ao RMTORM (área de saneamento e dos Resíduos Urbanos), estarem ainda no período de discussão pública, demonstram a prepotência deste Executivo ao inscrever verbas no Orçamento sem ter sequer o resultado das discussões públicas. Esta pressa desnecessária é um sinal evidente do desrespeito pela manifestação de vontade pública, principalmente fatimense, e pelo próprio órgão deliberativo, a Assembleia Municipal, a quem o executivo tem que prestar contas. 

A discussão do Orçamento de 2019 não é o momento apropriado para discutir a Taxa Turística; insistimos em que, por uma questão de respeito para com os procedimentos, a manifestação da vontade pública e o respeito pela AM, esta receita devesse ser incluída apenas após a finalização do período de audiência dos interessados e a sua aprovação final.

Quando a proposta de implementação de Taxa Turística veio a reunião para discussão pública, os vereadores do PS pediram que fosse retirada da ordem de trabalhos; face a um conjunto de novos pressupostos apresentados durante a própria reunião, os vereadores do PS, anuíram que a proposta fosse para discussão pública, continuando, no entanto, a manifestar-se publicamente contra a sua aplicação. 

Tendo em conta que, implicitamente, a Taxa Turística já se encontra autocraticamente aprovada e refletida nos documentos previsionais em apreciação, a posição dos vereadores do Partido Socialista, relativamente ao Orçamento já está definida.  

Antecipando a discussão da introdução dessa taxa, e atendendo ao momento de declínio em que se encontra o turismo no Município, principalmente em Fátima, o foco primordial desta receita, não encontrámos razões objetivas para a sua criação. Nem o momento é bom, nem a receita proveniente dessa taxa é indispensável, dada a situação financeira favorável do município.  

O Sr. Presidente da Câmara já proferiu em sede de Reunião de Câmara a sua preocupação sobre a tendência negativa do fluxo turístico que se está a registar ao longo do ano de 2018.

Como quer agora inverter esta tendência com o agravamento da competitividade das nossas unidades hoteleiras???

Que politica de apoio ao tecido empresarial quer o Executivo PSD/CDS implementar no nosso Concelho????

Pelo que nos é dado a conhecer no Orçamento, a política de apoio ao tecido empresarial, que tem sido a Bandeira do executivo PSD/CDS, é dar por um lado e tirar por outro.

A política de apoio ao tecido empresarial do concelho consiste afinal numa única iniciativa: o projeto “START UP” Ourém, orçado em 349.300 euros. Sim, porque a reabilitação da Zona Industrial de Urqueira e do Centro de Negócios não são projetos de raiz deste executivo.

De ponto de vista fiscal, este grande designo do executivo do PSD / CDS de apoio às empresas é manifestado por insignificantes alterações, designadamente:

- a diminuição da taxa da derrama em 0,05%; Só para se ter uma ideia do que isto representa, passamos a dar um exemplo: por cada 10.000 euros Lucro anual de uma empresa, esta redução representa uma poupança de 5 euros ano, i.e., 0,42 €/mês (!!!!)

- a alteração do IMI de 0,33% para 0,325% (cujo efeito, curiosamente, ainda não está refletido no Orçamento – na página 142 – o que é uma contradição com as taxas turísticas e saneamento e RU, que mesmo em período de discussão publica já estão inscritas).

Mas, por outro lado, as mesmas estruturas empresariais são chamadas para contribuir com pagamento para novas taxas e para aumentos “enormes”, como é o caso das taxas de saneamento e RU. 

Analisando mais a fundo o orçamento, verifica-se a inscrição de alguns valores que nos deixam em dúvida. Falamos do lado da Receita dos valores inscritos em sede do IMT. O Orçamento prevê a cobrança de 1.629.000 euros. Este valor é calculado pela simples média aritmética dos últimos 24 meses. Ora, também por informação do Senhor Presidente numa reunião de Câmara, a propósito da discussão das contas do 1º semestre do município, foi dito que o IMT estava bastante abaixo do previsto. De facto, a média aritmética dos primeiros nove meses do ano foi de 127 mil euros por mês, anualizando o valor, projeta-se que para 2018 o valor cobrado será na ordem do 1.5 milhões de euros. Assim, para 2019, estão mais de 100 mil euros orçados para este imposto.

Uma das críticas mais ouvidas enquanto oposição, eram as verbas insignificantes que o Executivo Socialista destinava às freguesias no Orçamento. Ora, o que hoje observamos com o PSD/CDS no executivo, é um decréscimo do valor destinada à gestão das nossas Freguesias. O montante das verbas destinadas às Freguesias é de 1.333.000 euros, face a 1.482.000 euros de 2017, último ano de governação do PS. Mais uma vez, uma poupança injustificada face à necessidade de desenvolvimento das nossas freguesias!!!!

Relativamente a este ponto, e para limpar a face, está escrito na proposta de orçamento de uma forma muito abstrata que “prevê-se estabelecer diversos protocolos de cooperação financeira com as freguesias, visando apoiar o seu investimento”, mas não se concretizam quais são os protocolos e encontrar essas verbas no orçamento é uma tarefa tão árdua que é quase impossível!!!

De facto, foram muitas as críticas a este respeito que foram feitas ao anterior executivo. Lembramo-nos das fortes criticas feitas pelo senhor Presidente da Junta de Freguesia de Fátima. O que irá ele dizer agora sobre este Orçamento??? Como ficam as quatro entradas de Fátima, a construção do novo quartel dos Bombeiros de Fátima, a Av. Papa João XXIII (apesar de ter valores inscritos no orçamento, há quem acredita que haverá dinheiro para essa obra?), os pontos de água da Freguesia, o apoio aos atletas de alta competição…?? Serão os 10.000 euros inscritos suficientes para todos os apoios, incluídos GAF(?), parque de Fátima, que de acordo com o Orçamento será adiado em pelo menos mais um ano??? …

Estas foram algumas das criticas que na altura foram feitas e cujo Orçamento deste ano o executivo PSD/CDS não responde.

Mas acima de tudo, este Orçamento vai ter efeitos nocivos profundos nos Fatimenses e em particular no seu Turismo! Como todos sabemos, a parte esmagadora da receita da Taxa Turística será cobrada em Fátima. Tinha dito o executivo que a verba arrecadada com essa taxa serviria para pagar a pegada do Turismo… Mas onde está o valor dessa pegada refletido no Orçamento??? Que outras verbas foram inscritas para Fátima a mais, para compensar esses valores? Pois, é um exercício de difícil análise. Também porque Fátima, é umas das Freguesias com maior cobertura de saneamento, os aumentos desmedidos das taxas de saneamento e RU terão um enorme efeito em Fátima e nos Fatimenses. Fátima, a “Joia da Coroa” das receitas do município, é a que mais vai sofrer os efeitos nefastos deste Orçamento: sendo a freguesia que mais receita dá ao município, não tem retorno em termos de atribuição de verbas à JF, nem de investimentos previstos, vai ter um aumento brutal nas taxas de saneamento e RU e, como se não bastasse, terá que pagar mais uma taxa, a Taxa Turística!!!  

Voltando ao início, esta proposta de orçamento e GOP´s, é um misto da estratégia política seguida nos últimos anos e da nova estratégia (praticamente invisível!!) que o atual executivo pretende implementar.

Expurgando as de despesas Correntes do Orçamento, temos um valor para as Despesas de Capital no montante de 19.476.450 euros. É essencialmente sobre esta verba que são tomadas as opções de investimento. O que podemos assistir neste orçamento é que ainda são as opções de investimento tomadas no anterior executivo que são tidas como estratégicas e se muitas vezes o atual executivo pretende maquiá-las para parecerem suas, certo é que foi a visão de executivos anteriores que as tornou essenciais. Este executivo limita-se a geri-las, muitas vezes de forma anárquica!

De novo, realmente novo, neste Orçamento, no que respeita a opções estratégicas de investimento, pouco se encontra! Num exercício de generosidade da nossa parte, encontramos opções que se traduzem em cerca de 4 milhões de euros. Destacamos as verbas destinadas à Start Up, já anteriormente mencionadas, 350 mil euros para a Ciclovia Fátima-Ortiga, com financiamento de 150 mil euros por parte da Fundação Ephesus, uma verba global de cerca de 2,6 milhões de euros para arranjos/requalificação de várias ruas e ligações essencialmente em Ourém e Fátima (embora importantes, dificilmente se pode considerar de estratégico), e um valor de 884 mil euros para a rede vária (também de estratégico pouco tem). Pelos vistos a opção estratégica deste executivo continua a incidir, tal como há 20 anos atrás, no alcatrão!

Assim, parte importante do valor desta diferença (Despesas de Capital), aproximadamente 12.000.000 euros, que convém dizer, é muito dinheiro, destina-se essencialmente para dar seguimento aquilo que é de anteriores visionários.

Face ao exposto e atendendo a que:

- O que estamos a avaliar é a nova estratégia deste novo Executivo e que ela nos parece de vistas curtas

- Que estão inscritas no Orçamento verbas relativas a receitas provenientes de taxas que ainda não foram aprovadas e com as quais estamos em desacordo porque terão efeitos adversos no desenvolvimento do nosso Concelho;

- Porque este Orçamento prevê um “enorme” aumento de taxas de saneamento e RU, aproximadamente 1.700.000 euros, com que não nos identificamos (com a forma do ajustamento), e consideramos injustificada face à boa saúde financeira do município;

- Porque consideramos que o montante das verbas inscritas no lado das Receitas, como sendo o IMT que dificilmente serão atingidas.

E finalmente porque este nunca seria o nosso Orçamento num segundo ano de mandato com condições económicas favoráveis, os Vereadores do PS votam contra os documentos em apreciação, nomeadamente os documentos previsionais para o ano de 2019 – Orçamento e Grandes Opções do Plano para o Quadriénio 2019-2022.

Os vereadores do PS

Cília Seixo

José Reis

Estela Ribeiro

PEDIDO DE APOIO FINANCEIRO — PROPOSTA DE PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE OURÉM E A ACISO — "Ações de Promoção - Ourém Natal Mágico 2018"

Vem a esta reunião uma proposta de Protocolo entre a ACISO e o Município que tem como objetivo a atribuição de um apoio financeiro de 36.496,50 para, e citamos, “financiar os encargos decorrentes da contratualização de uma pista de gelo, no âmbito do Ourém Natal Mágico 2018, deduzidos das receitas que venham a verificar-se com bilheteiras e publicidade.”

O Município irá garantir, além do apoio financeiro, apoio técnico no planeamento das intervenções a executar, através dos recursos humanos e outros meios e assegurar eventuais encargos que possam decorrer de saldo negativo da exploração da pista de gelo

A ACISO deverá proceder à publicitação, da atividade a desenvolver e contratualizará a pista de gelo no valor de 29.650,00€ (acrescido de IVA), ficando as respetivas receitas de bilheteira, bem como a publicidade sonora e estática a reverter para a mesma.

Perguntam os vereadores do PS: se o Município financia os encargos financeiros da contratação da Pista de Gelo, assume eventuais encargos que possam decorrer de saldo negativo da sua exploração, garantem apoio técnico e recursos humanos, porque não contratualiza o próprio Município a Pista de Gelo?

DIVISÃO DE RECURSOS HUMANOS E INFORMÁTICA

SECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - PROPOSTAS DE ANULAÇÃO DE PROCEDIMENTOS CONCURSAIS

Em dezembro foi aberto concurso para técnicos superiores nas áreas de engenharia e serviço social. Foram publicados os resultados do concurso, dado o tempo de contestação e agora, passado um ano, em novembro, o concurso é anulado.  A razão apresentada nos documentos é que no contexto atual deixou de se verificar a necessidade do provimento do posto de trabalho identificado, e por isso, é proposta a anulação do procedimento concursal em curso.

Na documentação que nos foi enviada nada é dito sobre a razão de anulação; gostaríamos por isso de saber qual a razão para anulação deste concurso.

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE REGULARIZAÇÃO DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS (RERAE) — ALTERAÇÃO AO PLANO DE URBANIZAÇÃO DE FÁTIMA 

No que se refere ao PUF, é necessário que a Câmara Municipal proceda à modificação do instrumento de gestão territorial — Plano de Urbanização de Fátima – no sentido de incorporar a regularização das atividades económicas, concretamente, a faixa de terreno afeta às instalações da Cooperativa de Olivicultores de Fátima, CRL, localizada fora do PUF, pelo fato de se sobrepor com a delimitação da REN em vigor para o Município de Ourém.   Em função disso, pede-se que seja aprovada: 1. Decisão de iniciar a alteração; 2. Dispensa de avaliação ambiental estratégica; 3. Concordar com a proposta de Alteração e proceder a abertura do período de discussão pública.

É no ponto dois que residem algumas dúvidas; diz.se a dada altura no documento que, citamos, “Quanto à Avaliação Ambiental dos instrumentos de gestão territorial, consagrada no Decreto-Lei n.0232/2007 de 15 de junho, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.058/2011, de 4 de maio, considerando a nossa interpretação do artigo 120, n.04 do RERAE, entende-se que o procedimento de alteração ao PUF nos termos do previsto nos n.0s I e 2 do artigo 78.0 do RJIGT, assim como a fundamentação explanada no ponto 4. Dispensa da Avaliação Ambiental Estratégica do Relatório de Fundamentação, em anexo à proposta, não está sujeito a avaliação ambiental.

Dada a falta de clareza, quer no que se refere ao texto, quer à situação, os vereadores do Partido Socialista gostariam que esse ponto fosse esclarecido.

REQUALIFICAÇÃO URBANA DA AVENIDA D. NUNO ÁLVARES PEREIRA — NOSSA SENHORA DA PIEDADE — ALTERAÇÕES AO PROJETO

Da análise dos documentos e pelo que nos foi dado perceber, a solução inicialmente proposta “impedia as cargas e descargas com os veículos parcialmente no interior das galerias e sobre o passeio”.

Na sequência de reunião entre o executivo municipal e os comerciantes da zona em causa, Av. Nuno Alvares e Rua da Charnequinha, e a pedido dos mesmos, foi solicitado a este serviço que apresentasse uma solução que mantivesse o estacionamento na margem Norte do acesso.

A solução proposta e entendida como a que melhor serve essa zona da cidade, a solução 2, passa por permitir “o acesso das cargas e descargas ao interior das lojas, sobre o passeio, interrompendo-o durante essa tarefa, obrigando o peão a transitar na faixa de rodagem.”

Os vereadores do partido Socialista perguntam: numa avenida nova, requalificada, encontra-se uma solução que obriga os peões a transitar na faixa de rodagem? A solução apresentada nos documentos enviados é estranha e inaceitável.

EXPANSÃO DO PARQUE RIBEIRINHO DR. ANTÓNIO TEIXEIRA 

O Projeto de Expansão do Parque Dr. António Teixeira foi desenvolvido no âmbito da candidatura do Programa Operacional POSEUR do PEDU pelo anterior executivo. Vem agora à apreciação superior a fase final deste projeto.

O Parque Dr. António Teixeira foi construído de forma a criar um espaço urbano que respondesse a um conjunto de necessidades de requalificação urbana, fruição lúdica e desportiva e comercial e cultural como é a feira de Ourém. Este projeto seria também a resposta às crescentes preocupações ambientais relacionadas com a recuperação das margens da Ribeira de Seiça e a uma correta articulação entre o tecido urbano e o espaço natural da ribeira.

Dado que o Parque não chegou a ser completado, este projeto pretende o seu prolongamento e dar-lhe a dimensão inicial de um parque linear contínuo, ao longo da Ribeira. A área de intervenção situa-se junto ao Parque Ribeirinho e termina na Ponte dos Cónegos e não na zona do Intermarché como inicialmente tinha sido previsto.

O âmbito desta obra é estruturante e diferenciador para todo o concelho e principalmente para a cidade de Ourém. A mais valia que representa para uma cidade um veio de água corrente, mesmo pequeno, é enorme; a água representa hoje um bem essencial, caro, mas também altamente enriquecedor e embelezador de um lugar. Todas as cidades que possuem este bem natural o aproveitam intensamente porque é um recurso precioso para dinamizar as cidades e dar qualidade de vida às populações. 

Os vereadores do Partido Socialista não compreendem por isso a opção do executivo em encurtar a zona de intervenção na medida em que a cidade já se prolonga para além da Ponte dos Cónegos. O bem e a mais valia que essa intervenção representa para o futuro dos ourienses e da cidade justificam o esforço e representam uma visão ampla e de futuro de crescimento da cidade.  O objetivo do executivo é atrair famílias, através compensações financeiras. Essa é a forma mais fácil, mais simples, mais experimentada em vários lugares do país, mas sem resultados à vista. O desafio é criar condições únicas e diferenciadoras, promotoras de qualidade de vida, atrativas para a vinda e fixação de famílias no concelho. Os vereadores do PS consideram por isso que em caso algum se deve perder a oportunidade de desenvolver a parte final deste projeto e desafiam o executivo PSD/CDS a não deixar morrer um projeto que pode representar em termos locais o renascimento da comunidade. 

EQUIPA MULTIDISCIPLINAR DE IMAGEM CORPORATIVA, EVENTOS E PROTOCOLO - FESTA DE NATAL

A proposta de iluminação, eventos, espetáculos e outros que aqui nos é apresentada, pela sua abrangência, permite-nos efetivamente pensar numa celebração de Natal condigna na cidade de Ourém. E dizemos cidade de Ourém porque é aí que é feita a maior aposta da celebração de Natal do Município. Também isso nos parece bem, porque é Ourém a sede do concelho. No entanto, a disparidade que existe entre o que está previsto para Ourém e Fátima é gritante. No item iluminação, por exemplo, entre ruas, avenidas, rotundas, praças, cruzamentos e fachadas estão previstos 18 pontos; para Fátima, no mesmo item iluminação estão previstos 6! De salientar que a iluminação da Av. D. José a. Correia da Silva está prevista apenas entre a rotunda de São José e de Santo António, não alcançando sequer as rotundas Norte e Sul, portas de entrada e saída de todos os visitantes em Fátima!

No que se refere a espetáculos, para Ourém está prevista a criação de um presépio e de uma estrutura coberta na Praça Mouzinho de Albuquerque para a realização de pequenos espetáculos e de um grande espetáculo de Natal, a realização da "Chegada do Pai Natal", um espaço denominado Casa do Pai Natal na Praça Dr. Agostinho Albano de Almeida e uma pista de gelo, ao fundo da Praça da República. Para Fátima, tudo ficará ao encargo da Junta de Freguesia e da Casa do Povo com o apoio do município.

Ora, embora Fátima não seja a sede do concelho, não deixa de ser o seu ex libris. É lá que aflui o maior número de visitantes de dentro e de fora do concelho. Por isso os vereadores do PS não compreendem esta disparidade de investimento do município (e de interesse!) na festa de Natal entre as duas cidades do concelho e gostariam de ser elucidados acerca da opção que foi tomada.

Os Vereadores do PS

Cília Seixo

José Reis

Estela RibeirO


tags: ,

publicado por Carlos Gomes às 18:34
link do post | favorito

Sexta-feira, 28 de Setembro de 2018
BRAGA APOIA VÍTIMAS DE CANCRO NA MAMA

´Outubro Rosa’ alerta para a importância da prevenção do cancro da mama

Prevenir, apoiar e combater é o mote do ‘Outubro Rosa’, um programa promovido pelo Município de Braga, em parceria com o Hospital de Braga, Rosa Vida / Gabinete de Apoio Oncológico, Delegação de Braga da Liga Portuguesa contra o Cancro e Movimento Vencer, que visa apoiar as vítimas de cancro da mama e seus familiares.

CMB28092018SERGIOFREITAS00000015159

Na apresentação da iniciativa, realizada hoje, 28 de Setembro, a vereadora Sameiro Araújo salientou que o ‘Outubro Rosa’ é um programa que tem o mérito de unir vontades de diversas entidades com objectivos comuns e que pretende “celebrar a vida” de todos quantos conseguiram ultrapassar a doença.

“Este mês pretende acima de tudo sensibilizar a população para a importância da prevenção, elemento fundamental para o sucesso na cura, mas também ajudar todos os que ultrapassaram a doença a regressar à sua vida normal adoptando um estilo de vida saudável”, referiu, salientando que o programa vai de encontro às solicitações das entidades presentes e visa atingir o maior número possível de pessoas possível.

CMB28092018SERGIOFREITAS00000015160

Congresso Oncológico, Pink Run e Concerto Rosa são destaques do programa

O programa ‘Outubro Rosa’ inicia-se com o ´Concurso Pulseira de Charme´, que decorre de 1 a 17 de Outubro e consiste numa acção de sensibilização em parceria com os Agrupamentos de Escolas da cidade de Braga.

Dia 3 terá lugar, na Vila Galé Braga, o “Jantar Rosa Vida”, um evento com fins solidários cujas verbas angariadas revertem a favor da Associação Rosa Vida.

No dia 12 de Outubro realiza-se, Auditório do Conservatório Bonfim às 21h00, a “Tertúlia Rosa – Otimismo, resiliência e qualidade de vida no Cancro da mama”, que contempla a visualização do documentário premiado “Ciça – Filha do Vento” e uma tertúlia com técnicos de saúde da área de oncologia.

Já no dia 19 de Outubro decorre, no Hospital de Braga, das 10h00 às 12h00, uma acção ministrada por enfermeiras da Unidade de Senologia do Hospital de Braga para um diagnóstico precoce, intitulado “Cancro da mama: sensibilizar para a prevenção”. No mesmo dia o Hospital de Braga recebe o workshop “Auto maquilhagem na doente oncológica”, às 15h00, e uma Palestra ministrada por uma psicóloga do Hospital de Braga denominada “Cancro a partir de um desafio”, às 16h00. O dia termina com um lanche/convívio com utentes, amigos e familiares, às 17h00.

No dia 20 de Outubro terá lugar, no Forum Braga, um dos pontos altos do programa, o Congresso Oncológico. Trata-se de um evento nacional transdisciplinar, que integra profissionais como médicos, enfermeiros, fisiatras, fisioterapeutas, técnicos do exercício físico, psicólogos, nutricionistas e auxiliares da área da saúde, e que tem como objectivo dar a conhecer o que na área da Oncologia há de mais avançado para o tratamento do Cancro, em particular da mama.

No dia seguinte, 21 de Outubro, realiza-se a Pink Run, uma caminhada com fins solidários cujas verbas angariadas revertem a favor das Associações da organização do Outubro Rosa.

Dia 26 de Outubro, às 21h00, o Auditório Vita será palco de um concerto com fins solidários cujas verbas angariadas revertem a favor da Delegação de Braga da Liga Portuguesa contra o Cancro. No mesmo dia tem lugar, no Campo da Caseta, o ´Jogo Solidário Braga Warriors´, uma partida com fins solidários.

Por fim, o programa encerra dia 31 de Outubro, às 09h30, com a actividade “Vencer e viver o Cancro”, uma acção de sensibilização junto dos utentes e cuidadores do Hospital de Braga.

CMB28092018SERGIOFREITAS00000015162

CMB28092018SERGIOFREITAS00000015163



publicado por Carlos Gomes às 19:21
link do post | favorito

Quarta-feira, 19 de Setembro de 2018
RIO DE COUROS SOLIDÁRIO COM OS BOMBEIROS DE CAXARIAS

42175768_10216097900952819_804893406894489600_n



publicado por Carlos Gomes às 20:01
link do post | favorito

Sexta-feira, 14 de Setembro de 2018
ESCOLA PROFISSIONAL DE OURÉM – BIG IDEA!

Acreditamos que a Inovação está no ADN dos jovens. E por isso, não há melhor ecossistema do que uma Escola para liderar este processo de os ajudar a aplicar a sua criatividade no mundo de hoje!

unnamed

Porque a Escola Profissional de Ourém é uma Escola que vai muito para além das aulas, queremos premiar as melhores ideias. E porque somos uma Escola Profissional, sabemos que a raiz da nossa existência é o mercado de trabalho e por isso queremos focar as ideias nos negócios.

Vamos lançar o desafio a todos os jovens até aos 21 anosdo concelho de Ourém mas também de toda a região onde nos inserimos, de Leiria a Santarém, apelando a que concorram com a sua melhor ideia de negócio, em qualquer área e abrangendo todos os sectores de atividade.

Queremos um concurso à imagem do “Shark Tank”, uma competição avaliada por experientes empresários e investidores, e por isso temos como “padrinho” desta iniciativa Marco Galinha, um dos Tubarões do concurso português da SIC e CEO do Grupo Bel.

A sessão de lançamento terá lugar no dia 4 de Outubro, pelas 15h30, no auditório da Escola Profissional de Ourém, onde será apresentado o concurso, o regulamento da iniciativa, os prémios, e onde os jovens poderão participar numa conversa inspiracional com o empresário Marco Galinha, que apresentará a sua visão empreendedora.

As melhores ideias e mais arrojadas dão prémios, e por isso temos a concurso 2 categorias: ideia mais original e ideia mais comercial.

Fica o convite a todos os jovens: atreve-te a ter uma BIG IDEA!



publicado por Carlos Gomes às 17:36
link do post | favorito

Quarta-feira, 12 de Setembro de 2018
ESPOSENDE LEVA 2 MIL IDOSOS A FÁTIMA

O evento tem-se traduzido, nos últimos anos, na realização de um passeio-convívio ao Santuário de Fátima. À semelhança das anteriores edições, o programa integra a Eucaristia, na Basílica da Santíssima Trindade, pelas 12h15, seguida do piquenique nos parques do Santuário, estando o regresso a casa previsto para as 18h30.

.

A Festa do Idoso integra o Programa Ativo Mais, desenvolvido no âmbito da Rede Social de Esposende, e é dirigida aos idosos residentes no concelho, com idade igual ou superior a 65 anos, pessoas portadoras de deficiência com autonomia, com idade superior a 35 anos, e pessoas que frequentam as Instituições Particulares de Solidariedade Social com valência para a terceira idade.

O Programa Ativo Mais proporciona à comunidade sénior do concelho, ao longo de todo o ano e de forma gratuita, um conjunto muito diversificado de atividades de vária índole, contribuindo, de forma efetiva, para a sua qualidade de vida. Além de promover o bem-estar, a inclusão social e o reconhecimento dos idosos na comunidade, este programa permite também fortalecer as parcerias locais, permitindo concertar esforços, otimizar recursos, integrar contributos e complementar a intervenção com vista à promoção de um envelhecimento ativo.

.

 



publicado por Carlos Gomes às 17:39
link do post | favorito

Terça-feira, 11 de Setembro de 2018
SENHORA DE FÁTIMA DÁ O NOME A LOCALIDADE DE OURÉM DO PARÁ

41442488_10204802163570339_4458570679138123776_n

Fátima chegará de sua longa jornada a comunidade do Furo Novo, Ourém, Pará, Amazônia, Brasil, doando seu nome para essa simpática comunidade, que a partir de quinta feira(13/09/2018), com a presença do Cônsul de Portugal, em ato de homologação na Câmara Municipal de Ourém, na mesma data, se tornará Vila de Fátima...

Tudo começou há cerca de 70 anos atrás quando lideranças locais, destacando nomes como seu Rodrigo, seu Dedezinho(ambos já falecidos), Tio Mena e outros das famílias tradicionais Rocha, Lopes e Xavier e é claro, as esposas e demais senhoras de então do lugar, trouxeram uma imagem da Santa dos três pastorinhos de 1 metro, feita em gesso, para ser adotada como padroeira...

Os desígnios celestes não explicam se os pioneiros sabiam das coincindências com o local das aparições em Portugal, e seus nomes, mas o local dista apenas 6 Km da sede do Município, exatamente como Fátima está de Ourém de Portugal...

Por sinal os três pastorinhos nasceram em Ourém de Portugal e que pra nós chamaríamos de "ouremenses", lá oureenses...

A verdade é que hoje sabemos que os pioneiros do Furo Novo, abriram caminho para que a réplica vinda da homônima Fátima de Ourém-Portugal, chegasse num dia 13, como a Virgem de Branco gosta de aparecer, para o seio de sua gente, abençoada, certificada e amada por todo povo católico deste continente...

Que Fátima receba as flores do nosso povo, Amém!...

Arlindo Matos (Ourém – Pará – Brasil)



publicado por Carlos Gomes às 06:53
link do post | favorito

Segunda-feira, 3 de Setembro de 2018
TOMAR COMEMORA 900 ANOS DO NASCIMENTO DE GUALDIM PAIS, MESTRE DA ORDEM DOS TEMPLÁRIOS EM PORTUGAL

Apresentação em Barcelos do programa comemorativo do 9.º Centenário do Nascimento de Dom Gualdim Pais

O 9.º Centenário do Nascimento de Dom Gualdim Pais, Mestre da Ordem do Templo de Portugal, será assinalado com um vasto programa ao qual se associam cinco municípios.

gualdim-pais-statue-city-of-tomar

As Jornadas Gualdinianas realizar-se-ão em Barcelos (22 de setembro), Braga (29 de setembro), Coimbra (6 de outubro), Tomar (13 de outubro) e Vila Verde (20 de outubro).

A apresentação do programa decorrerá amanhã, 4 de setembro, na Sala de Reuniões da Câmara Municipal de Barcelos, às 11h00, com a presença de Armandina Saleiro, Vereadora da Cultura da Câmara de Barcelos, e de Lídia Dias, Vereadora da Cultura da Câmara de Braga.

Dom-Gualdim-Pais-1118---1195-Crusader-Templar--amp--Knight

QUEM FOI D. GUALDIM PAIS?

Gualdim Pais (1118-1195)

Gualdim Pais nasceu em Amares, região de Braga. Escudeiro de D. Afonso Henriques, combateu ao seu lado contra os mouros, vindo a ser ordenado cavaleiro pelo soberano no campo da batalha de Ourique, em 1139. Depois tornou-se cruzado e freire templário, partindo a seguir para a Palestina onde pelejou durante cinco anos. No seu regresso, em 1157, foi feito procurador do Templo em Portugal, sendo o seu 4.º Mestre desde que a Ordem se estabeleceu em Soure, em 1128.

Segundo uma lápide existente no Convento de Cristo, colocada junto à primitiva entrada na Rotunda Templária pelo Infante D. Henrique, Mestre Gualdim Pais além do castelo e vila de Tomar, fundou ainda, os castelos de Pombal, Zêzere (hoje desaparecido - no atual concelho de Vila Nova da Barquinha), Almourol, Idanha e Monsanto.

Deu foral à vila de Tomar, em 1162, que se tornou então a sede dos Templários no reino. Cercado este castelo em 1190, pelas forças Almóadas, sob o comando do califa Abu Yusuf Ya'qub al Mansur, os Templários conseguiram defendê-lo graças a uma estratégia eficaz, até que, ao fim de seis dias, o cerco foi levantado e os muçulmanos abandonaram a empresa.

Gualdim Pais faleceu em Tomar, no ano de 1195 e encontra-se sepultado na igreja de Santa Maria dos Olivais, que foi panteão dos mestres do Templo.

Fonte: http://www.conventocristo.gov.pt/

485.0.original



publicado por Carlos Gomes às 17:09
link do post | favorito

Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018
A PEREGRINAÇÃO DO MIGRANTE E DO REFUGIADO EM FÁTIMA

Daniel Bastos

  • Crónica de Daniel Bastos

Nos passados dias 12 e 13 de agosto realizou-se, mais uma vez, a tradicional Peregrinação do Migrante e do Refugiado em Fátima, um dos mais importantes santuários marianos do mundo, e um dos mais emblemáticos locais de peregrinação cristã e devoção católica em todo o mundo.

A jornada de fé e devoção, que assinala a quarta Aparição de Nossa Senhora aos Pastorinhos, marcou o arranque da Semana Nacional das Migrações, congregando na Cova da Iria, migrantes de várias partes do mundo.

Este ano, o tema da 46.ª Semana Nacional das Migrações promovida pela Obra Católica Portuguesa das Migrações, da Conferência Episcopal Portuguesa, centrou-se na frase basilar “Cada forasteiro é ocasião de encontro – Migrantes e refugiados no caminho para Cristo”. Na esteira da mensagem e da ação que o Papa Francisco tem dedicado aos migrantes e refugiados, e no reiterado pedido do chefe da Igreja Católica à comunidade internacional e aos fiéis para não abandonarem os migrantes e refugiados.

A opção por esta temática atual e premente, que a comunidade internacional parece incapaz de resolver, foi modelarmente elucidada por D. António Vitalino, vogal da Comissão Episcopal da Pastoral Social e Mobilidade Humana: “Perante o drama dos refugiados, que fogem à guerra, à fome, à seca e à pobreza, muitos morrendo pelos caminhos perigosos, vítimas de máfias sem escrúpulos, como cristãos e seres humanos não podemos ficar insensíveis a tudo isto”.

Ainda na conferência de imprensa que antecedeu as cerimónias, o Cardeal D. António Marto, bispo de Leiria-Fátima, vincou o “drama humanitário da transmigração epocal de povos que se dirigem à Europa, vindos do Médio-Oriente e de África”. Caraterizando as vagas crescentes destes refugiados e migrantes que todos os dias tentam entrar no Velho Continente, como “um exército de pobres que aqui chega, após dois anos de viagem pelo norte de África. Não estão em causa os números, mas pessoas concretas, com uma história, uma cultura, uma família, sentimentos, dramas e aspirações”.

Neste sentido, é de enaltecer a defesa reiterada do respeito e dignidade dos migrantes e refugiados que a Igreja Católica tem sustentado no mundo atual, assim como o seu papel de coesão e identidade que ao longo dos anos tem desempenhado no seio das comunidades portuguesas.



publicado por Carlos Gomes às 17:33
link do post | favorito

Sexta-feira, 13 de Julho de 2018
ESPOSENDE ORGANIZA FESTA DO IDOSO EM FÁTIMA

Inscrições já estão abertas

O Município de Esposende vai promover, no próximo dia 14 de setembro, mais uma edição da Festa do Idoso, com o tradicional passeio-convívio ao Santuário de Fátima. As inscrições decorrem até ao dia 16 de agosto, nas sedes de Junta de Freguesia do concelho.

festa_idoso18

Podem inscrever-se idosos residentes no concelho, com idade igual ou superior a 65 anos, pessoas portadoras de deficiência com autonomia, com idade superior a 35 anos, e pessoas que frequentam as Instituições Particulares de Solidariedade Social com valência para a terceira idade.

À semelhança das anteriores edições, o programa integra a Eucaristia, na Basílica da Santíssima Trindade, pelas 12h15, e, posteriormente, o piquenique nos parques do Santuário, estando o regresso a casa previsto para as 18h30.

Esta iniciativa, que vai já na 23.ª edição, integra o Programa Ativo Mais, que é desenvolvido no âmbito da Rede Social de Esposende, o qual tem contribuído, de forma efetiva, para a qualidade de vida dos idosos, promovendo o seu bem-estar, a inclusão social e o seu reconhecimento na comunidade. Efetivamente, a comunidade sénior concelhia tem a oportunidade de participar, ao longo de todo o ano e de forma gratuita, num conjunto muito diversificado de atividades de vária índole, nomeadamente de caráter lúdico, recreativo, musical, cultural e desportivo.

O Programa Ativo Mais permite, por outro lado, fortalecer as parcerias locais, permitindo concertar esforços, otimizar recursos, integrar contributos e complementar a intervenção tendo em vista a promoção de um envelhecimento ativo.



publicado por Carlos Gomes às 16:19
link do post | favorito

Domingo, 8 de Julho de 2018
TABULEIROS DE TOMAR DESFILARAM ONTEM EM LOURES NO ÂMBITO DO FOLKLOURES’18

Grupo Folclórico Verde Minho – entidade organizadora do FolkLoures – está de parabéns!

A cidade de Loures foi ontem palco de um grandioso Encontro de Culturas: o FolkLoures’18. A festa abriu ao som dos bombos e caixas dos Mareantes do Rio Douro, de Vila Nova de Gaia, que despertaram a localidade da sua habitual calmaria. Seguiu-se o Grupo Arrufarte que também rufou vigorosamente os seus bombos, conferindo à iniciativa o ambiente característico das romarias do Minho.

DSCF1149

A cerimónia de boas-vindas e entrega de lembranças teve este ano lugar em palco, tendo como pano de fundo a réplica da fachada da igreja de São Paulo, em Macau, um local que se afigurou mais apropriado para o efeito relativamente ao que era habitual em anos anteriores, nos Paços do Concelho, como forma de acolhimento por parte da autarquia local. Nesta cerimónia, o Presidente da Câmara Municipal de Loures fez-se representar pelo Dr. Francisco Sousa e a Federação do Folclore Português pela engª Manuela Carriço. Também a Rádio do Folclore Português (RFP) fez-se representar através de Rafael Passos que é curiosamente o responsável do Grupo de Danças e Cantares do Alto do Moinho.

À hora marcada, após a refeição onde todos os grupos se juntaram e confraternizaram, todos os participantes reuniram-se junto ao Pavilhão Paz e Amizade e iniciaram o desfile rumo ao Parque da Cidade onde, teve lugar a sua actuação em palco.

DSCF1054

O grupo “Pensamento Oriental - Promoção da Cultura Chinesa” representou em palco a dança tibetana “Capriccio de Kumara”, actuação que prendeu a atenção do público que esgotou por completo a plateia, conservando um silêncio e uma atenção raramente observáveis em espectáculos populares ao ar livre.

Seguiu-se a magnífica representação da Festa dos Tabuleiros de Tomar anunciando já a sua edição no próximo ano naquela linda cidade das margens do rio Nabão. O Grupo anfitrião – Grupo Folclórico Verde Minho – abrilhantou o espectáculo com a alegria, colorido e vivacidade que caracteriza o folclore do Minho, região que também esteve magnificamente representada pelo Grupo de Sargaceiros da Casa do Povo da Apúlia, de Esposende.

No FolkLoures, o cante alentejano nunca é esquecido e, em representação deste género de manifestação cultural do nosso Alentejo, esteve o Grupo Coral e Etnográfico Amigos do Alentejo do Feijó – Almada, rigorosamente trajado e sempre muito apludido pelo público que manifestamente apreciou a sua actuação.

Em representação do Douro Litoral actuou o Grupo de Danças e Cantares Alto do Moinho, impecavelmente trajado e com rigorosa execução, grupo aliás reconhecido com um dos melhores sediados na região de Lisboa. E, como não podia deixar de ser – a organização do evento nunca esquece a identidade do concelho de Loures! – o folclore saloio esteve presente através do Rancho Folclórico de Lousa, concelho de Loures.

O FolkLoures’18 terminou com uma imponente sessão de fogo-de-artifício que a muitos fez lembrar as grandiosas romarias do Minho, com os foguetes a estalejar nos céus e a iluminar a cidade de Loures com a promessa de que, para o ano, o festival será ainda mais grandioso.

O BLOGUE DO MINHO tem conhecimento que a organização já está a encetar os contactos com diversas entidades com vista à organização do FolkLoures’19, iniciando os preparativos com vista à sua realização. E a próxima edição promete trazer a Loures grandes novidades!

DSCF1061

DSCF1118

DSCF1119

DSCF1144

DSCF1152

DSCF1243

DSCF1245

DSCF1248

DSCF1254

DSCF1250



publicado por Carlos Gomes às 11:02
link do post | favorito

Sexta-feira, 6 de Julho de 2018
SANTUÁRIO DE FÁTIMA RECEBE PEREGRINOS DE VIEIRA DO MINHO

Autarquia Vieirense levou 1600 peregrinos ao Santuário de Fátima

Cumprindo uma vez mais a tradição, a Câmara Municipal voltou a organizar o passeio convívio para os Vieirenses.

DSC_4776

Neste sentido, mais de 1600 pessoas do concelho de Vieira o Minho rumaram ontem ao Santuário de Nossa Senhora de Fátima, no passeio anual que a Autarquia proporciona aos seniores do concelho, e no qual marcou, igualmente, presença o presidente do Município, António Cardoso.

Provenientes de todas as freguesias do concelho de Vieira do Minho, os participantes assistiram à celebração da Eucaristia na Igreja da Santíssima Trindade concelebrada pelo Arcipreste de Vieira, Padre Alcino Xavier, e pelos párocos, Albano Costa, João Lameiras, Fernando Eurico e José Alves que também integraram o passeio. De referir, ainda que a celebração da Eucaristia foi animada pelo Coro da Universidade Sénior de Vieira do Minho. A celebração da Eucaristia foi animada pelo Coro da Universidade Sénior de Vieira do Minho.

DSC_4588

No final da celebração religiosa, os participantes neste passeio aproveitaram para aconchegar o estômago, no tradicional almoço de confraternização na zona envolvente ao Santuário, com a partilha de farnéis. Entre os peregrinos, que aproveitaram esta deslocação ao Santuário de Fátima para o cumprimento de promessas e a compra de recordações, reinou sempre um ambiente de boa disposição e alegria que se manteve durante toda a tarde e durante a viagem de regresso a Vieira do Minho.

Distribuídos por 32 autocarros, os participantes neste passeio foram acompanhados pelos técnicos da Autarquia, que tiveram a colaboração dos vários presidentes de Junta de Freguesia do concelho e de técnicos dos diferentes Centros Sociais e Paroquiais.

DSC_4771

Nas palavras que foi partilhando com os presentes, o presidente António Cardoso referiu que "este tipo de iniciativa, para além de promover o convívio, é um excelente momento para os Vieirenses manifestarem a sua fé e devoção a Nossa Senhora de Fátima". O  autarca considerou, ainda, que "os mais Vieirenses e a promoção de estratégias que visem o seu bem-estar serão sempre uma prioridade”.

No final, António Cardoso agradeceu a “forma dedicada como todos os presentes se empenharam na iniciativa, fator que contribuiu, decisivamente, para o sucesso deste passeio”.

DSC_4803



publicado por Carlos Gomes às 21:05
link do post | favorito

Segunda-feira, 11 de Junho de 2018
ALVAIÁZERE TEM INCUBADORA DE NEGÓCIOS

Programa de aceleração na incubadora Alvaiázere+

No próximo dia 13 de junho, a incubadora de negócios Alvaiázere+ vai abrir as portas ao público para uma manhã dedicada ao empreendedorismo, no âmbito do programa de aceleração que está a decorrer.

A Presidente da Câmara Municipal de Alvaiázere, Célia Marques, e o Administrador dos Territórios Criativos, Luís Matos Martins, irão abrir a sessão, que se seguirá de uma conversa inspiradora dinamizada por Vítor Ferreira, Diretor Executivo da D. Dinis Business School e Docente do Instituto Politécnico de Leiria, pelas 10h.

Pelas 10h30, irá iniciar-se um painel com o tema "Interior: Um exemplo de Competitividade Territorial", no qual irão ser discutidas as potencialidades do interior, com base do passado, presente e futuro do território.

Será moderado por Luís Matos Martins, e que contará com a presença de Olinda Sequeira, do Instituto Politécnico de Tomar, Frederico Lucas, dos Novos Povoadores, Teresa Preta, dos Territórios Criativos, e Vítor Ferreira, da D. Dinis Business School.

Este dia será o culminar do programa de aceleração da incubadora, que foi constituído por dois bootcamps e apoio especializado aos 15 empreendedores participantes e, desta forma, irá terminar com a apresentação dos projetos apoiados, pelas 11h45, numa sessão que contará com os contributos de Sandra Simões, da Câmara Municipal de Alvaiázere, Bruno Sousa, da Associação de Desenvolvimento Integrado do Concelho de Alvaiázere, Olinda Sequeira, do Instituto Politécnico de Tomar, e Teresa Preta, dos Territórios Criativos.



publicado por Carlos Gomes às 22:25
link do post | favorito

Quarta-feira, 23 de Maio de 2018
FESTA DOS TABULEIROS DE TOMAR DESFILA NO FOLKLOURES’18

A tradicional Festa dos Tabuleiros regressa a Tomar no início do mês de Julho do próximo ano, conforme é tradição de quatro em quatro anos. Nesse sentido, não podia a organização do FolkLoures’18 deixar de conferir o devido destaque a tão importante manifestação cultural do nosso povo.

CapturarTabuleirosTomar

O Grupo de Tabuleiros da Festa do Divino Espírio Santo da Freguesia de Carregueiros vai representar o concelho de Tomar com um conjunto de 20 pessoas transportando 10 tabuleiros.

A Festa dos Tabuleiros é uma tradição multi-secular da cidade dos Templários que se tornou uma dos mais importantes cartazes turísticos de Portugal, constituindo a maior festividade nacional em Honra do Divino Espírito Santo.

Os tabuleiros sã constituídos por trinta pães enfiados em canas que partem de um cesto de vime ou verga, sendo encimados pela coroa do Espírito Santo e a respectiva pomba ou a cruz da Ordem de Cristo que teve Tomar como a sua sede e a quem devemos em grande medida a epopeia dos Descobrimentos Marítimos.

As moças que tamportam os tabuleiros são formosas e apresentam-se vestidas de branco, com fitas de cores vivas à cintura ou a tiracolo.

A Festa dos Tabuleiros propriamente dita é antecedida da saída das coroas e o cortejos dos rapazes, celebrações que atraem sempre à Princesa do Nabão milhares de visitantes.

A organização do FolkLoures’18 agradece a colaboração Grupo de Tabuleiros da Festa do Divino Espírio Santo da Freguesia de Carregueiros e da Casa do Concelho de Tomar.

Capturarfolk



publicado por Carlos Gomes às 09:11
link do post | favorito

Quinta-feira, 10 de Maio de 2018
VÁ A FÁTIMA E VISITE A SALA DOS PASTORINHOS NO CONSOLATA MUSEU -ARTE SACRA E ETNOLOGIA

Sala dos Pastorinhos | Consolata Museu - Arte Sacra e Etnologia

Cenograficamente iluminada, a Sala dos Pastorinhos, constituída no ano 2000, por altura da beatificação de Francisco e Jacinta Marto, é uma verdadeira casa das relíquias.

image002

Os vestígios materiais dos protagonistas de Fátima situam o visitante no tempo e no lugar das aparições marianas. Os objetos ligados a seus pais, o barrete que fora usado por Francisco Marto, a pedra do túmulo que serviu de morada aos seus restos mortais, quando inumados no cemitério de Fátima, entre outros objetos como terços e outras relíquias, lembram ao visitante que as crianças que atualmente são veneradas como exemplo pelos membros do catolicismo viveram num tempo e espaço concretos.

Ao finalizar o percurso do Museu, o visitante é de novo colocado na paisagem semântica da Cova da Iria, reavivando as lembranças que deram início à história do lugar e dos seus protagonistas. A sacralidade inerente às peças dos primeiros espaços do Museu de Arte Sacra e Etnologia e a raiz etnológica que se sente na parte segunda da exposição permanente ganham nesta sala dedicada aos videntes de Fátima uma concretização clara da natureza e missão deste Museu. (Marco Daniel Duarte)

In DUARTE, M. D.[coordenação científica], Roteiro do Museu de Arte Sacra e Etnologia, Fátima, Museu de Arte Sacra e Etnologia, 2011 (textos de Anísio Franco, Celina Bastos, Gonçalo Cardoso, Isabel Matias, Luísa Penalva, Marco Daniel Duarte, Margarida Rodrigues, Maria João Vilhena de Carvalho, Norberto Louro, Paula Pelúcia Aparício; p. 104



publicado por Carlos Gomes às 10:09
link do post | favorito

Terça-feira, 24 de Abril de 2018
ESCRITOR ALFREDO DE SOUSA TOMAZ APRESENTA NA FEIRA DO LIVRO DE OURÉM O LIVRO “O HOMEM QUE NÃO TINHA UMA FAZENDA EM ÁFRICA

O escritor Alfredo de Sousa Tomaz apresentou no passado domingo, na Feira do Livro de Ourém, o seu livro “O homem que não tinha uma fazenda em África”. A iniciativa decorre até amanhã, dia 25 de Abril, no antigo edifício dos Paços do Concelho e na Praça D. Maria II.

31281397_1803936089916272_5486028161607615544_n

O evento conta com um programa variado com diversas atividades, nomeadamente, encontros com escritores e ilustradores, sessões de autógrafos, recitais, mostra de produtos regionais, feira do livro, concurso concelhio de leitura, música, percurso artístico-literário, dança com livros, teatro e horas do conto.

Destaque para o VIII Concurso Concelhio de Leitura dirigido aos alunos do 1 e 2º ciclos das escolas do concelho, além dos encontros com vários autores e ilustradores e um espaço dedicado aos escritores ourienses.

A Festa do Livro é organizada pela Câmara Municipal de Ourém - Biblioteca Municipal com o apoio da Rede de Bibliotecas do Concelho de Ourém, Museu Municipal de Ourém - Casa do Administrador e a Livraria Arquivo.

Com prefácio de Ricardo de Saavedra, conceituado jornalista e escritor, a obra compila uma série de histórias vividas pelo autor, desde que partiu para Angola ainda criança até ao momento em que teve de a deixar compulsivamente 25 anos depois.

Mais de quatro anos depois de se ter lançado nesta "aventura", Alfredo de Sousa Tomaz vê agora o nascer deste "filho", impulsionado, segundo o autor, pela publicação na revista Notícias Magazine, suplemento do Jornal de Notícias e Diário de Notícias, em 2010, de algumas das suas histórias de África: "como tinha muitas mais histórias para contar, decidi reuni-las em livro."

O autor refere, ainda, o orgulho em ter podido também apresentar a obra em Ponte da Barca pois "embora não tendo nascido em Ponte da Barca, nem tampouco no Minho, escolheu para viver esta terra que me adoptou.”

Tal como Ricardo de Saavedra descreve no prefácio é este "livro sereno, perpassado por vezes de um subtil humor, que constitui uma achega preciosa à história que no terreno e dia a dia se viveu e ninguém teve ainda coragem para escrever.”

22491669_1608428945882999_5215796107773029724_n

Alfredo Tomaz nasceu na Cova da Iria, Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém, a 29 de Julho de 1942. Sexto filho de uma família numero a e modesta, seu pai, para dar melhores condições de vida aos seus, partiu para Angola no início da década de 50 com os seus irmãos mais velhos, tendo-se-lhes juntado pouco depois o resto da família. Em Outubro de 1961 regressou a Portugal para cumprir o serviço militar na Força Aérea, onde permaneceu até Janeiro de 1965. Pouco depois de regressar a Luanda conheceu Maria de Fátima, com quem veio a casar em Dezembro de 1967. Dessa união nasceram dois filhos.

Em Luanda a sua atividade profissional esteve quase sempre ligada às viagens e turismo, tendo trabalhado na Companhia Nacional de Navegação e numa agência de viagens.

Em 1976, depois de um quarto de século de aventuras, venturas e desventuras, o autor regressou definitivamente a Portugal com a família, tendo-se fixado em Matosinhos, onde exerceu a sua atividade comercial até 2007. Atingida a idade da reforma, foi viver com a esposa para Ponte da Barca, Alto Minho, onde permanecem até hoje, assumindo orgulhosamente a condição de “minhotos adotivos”. Esta obra, não sendo exatamente uma autobiografia, é, contudo, baseada no percurso de vida do autor por terras de África.

31295214_1803938686582679_5631479331136280186_n



publicado por Carlos Gomes às 10:30
link do post | favorito

CORO DOS PEQUENOS CANTORES DE ESPOSENDE REALIZA CONCERTO NO SANTUÁRIO DE FÁTIMA

O Coro de Pequenos Cantores de Esposende (CPCE) vai participar, pela segunda vez, no Encontro de Coros Infantis do Santuário de Fátima.

CPCE

Nesta que é a décima edição, a ter lugar amanhã, dia 25 de abril, na Basílica de Nossa Senhora do Rosário, às 15h30, participam, além do CPCE, o Schola Cantorum Pastorinhos de Fátima e os Jovens Cantores de Guimarães.

O programa prevê um concerto onde cada um dos grupos corais apresenta individualmente o seu repertório e culmina com uma interpretação conjunta do tema Totus tuus, Maria, da autoria de António Cartageno com arranjos de João Santos.

O Coro de Pequenos Cantores de Esposende, sob a direção de Helena Venda Lima, será acompanhado pelo Órgão de Tubos da Basílica, com o organista Diogo Zão. O Coro interpretará cinco músicas e o percurso musical “Terno e Eterno Bom Sagrado” assentará nas tradições da construção polifónica do passado, proporcionando uma viagem até às sonoridades mais contemporâneas.

Este evento procura promover a partilha entre os coralistas de distintas partes do país e criar laços através da vivência artística e da linguagem coral.



publicado por Carlos Gomes às 09:33
link do post | favorito

Quarta-feira, 18 de Abril de 2018
FOLCLORE JUNTA AMIGOS EM BRAGA

30729166_1404278683011705_3285599924554025181_n



publicado por Carlos Gomes às 20:18
link do post | favorito

Quinta-feira, 12 de Abril de 2018
ESCRITOR ALFREDO DE SOUSA TOMAZ APRESENTA EM OURÉM O LIVRO “O HOMEM QUE NÃO TINHA UMA FAZENDA EM ÁFRICA

O escritor reside em Ponte da Barca onde recentemente apresentou a sua obra na Casa da Cultura

Data: 22 de Abril

Hora: 14h30

“O homem que não tinha uma fazenda em África”, da autoria de Alfredo de Sousa Tomaz, vai ser apresentado no dia 22 de Abril, às 14h30. É o dia dedicado aos "Poetas Oureenses", integrado na "Festa do Livro de Ourém 2018" que decorre de 18 a 25 de Abril, no antigo edifício dos Paços do Concelho e na Praça D. Maria II.

24993389_1663340920391801_3233345369951514855_n

Esta iniciativa tem um programa variado com diversas atividades, nomeadamente, encontros com escritores e ilustradores, sessões de autógrafos, recitais, mostra de produtos regionais, feira do livro, concurso concelhio de leitura, música, percurso artístico-literário, dança com livros, teatro e horas do conto.

Destaque para o VIII Concurso Concelhio de Leitura dirigido aos alunos do 1 e 2º ciclos das escolas do concelho, além dos encontros com vários autores e ilustradores e um espaço dedicado aos escritores ourienses.

A Festa do Livro é organizada pela Câmara Municipal de Ourém - Biblioteca Municipal com o apoio da Rede de Bibliotecas do Concelho de Ourém, Museu Municipal de Ourém - Casa do Administrador e a Livraria Arquivo.

Programa detalhado em www.ourem.pt

Com prefácio de Ricardo de Saavedra, conceituado jornalista e escritor, a obra compila uma série de histórias vividas pelo autor, desde que partiu para Angola ainda criança até ao momento em que teve de a deixar compulsivamente 25 anos depois.

Mais de quatro anos depois de se ter lançado nesta "aventura", Alfredo de Sousa Tomaz vê agora o nascer deste "filho", impulsionado, segundo o autor, pela publicação na revista Notícias Magazine, suplemento do Jornal de Notícias e Diário de Notícias, em 2010, de algumas das suas histórias de África: "como tinha muitas mais histórias para contar, decidi reuni-las em livro."

O autor refere, ainda, o orgulho em poder apresentar a obra em Ponte da Barca pois "embora não tendo nascido em Ponte da Barca, nem tampouco no Minho, escolhi para viver esta terra que me adoptou.”

Tal como Ricardo de Saavedra descreve no prefácio é este "livro sereno, perpassado por vezes de um subtil humor, que constitui uma achega preciosa à história que no terreno e dia a dia se viveu e ninguém teve ainda coragem para escrever.”

Alfredo Tomaz nasceu na Cova da Iria, Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém, a 29 de Julho de 1942. Sexto filho de uma família numerosa e modesta, seu pai, para dar melhores condições de vida aos seus, partiu para Angola no início da década de 50 com os seus irmãos mais velhos, tendo-se-lhes juntado pouco depois o resto da família. Em Outubro de 1961 regressou a Portugal para cumprir o serviço militar na Força Aérea, onde permaneceu até Janeiro de 1965. Pouco depois de regressar a Luanda conheceu Maria de Fátima, com quem veio a casar em Dezembro de 1967. Dessa união nasceram dois filhos.

Em Luanda a sua atividade profissional esteve quase sempre ligada às viagens e turismo, tendo trabalhado na Companhia Nacional de Navegação e numa agência de viagens.

Em 1976, depois de um quarto de século de aventuras, venturas e desventuras, o autor regressou definitivamente a Portugal com a família, tendo-se fixado em Matosinhos, onde exerceu a sua atividade comercial até 2007. Atingida a idade da reforma, foi viver com a esposa para Ponte da Barca, Alto Minho, onde permanecem até hoje, assumindo orgulhosamente a condição de “minhotos adotivos”. Esta obra, não sendo exatamente uma autobiografia, é, contudo, baseada no percurso de vida do autor por terras de África.

22491669_1608428945882999_5215796107773029724_n



publicado por Carlos Gomes às 17:34
link do post | favorito

Quarta-feira, 7 de Março de 2018
FEDERAÇÃO NACIONAL DAS ASSOCIAÇÕES DE RAÇAS AUTÓCTONES PROMOVE AS RAÇAS AUTÓCTONES PORTUGUESAS DE VÁRIAS ESPÉCIES DE ANIMAIS

A FERA – Federação Nacional das Associações de Raças Autóctones, com sede em Guimarães, representa 17 (dezassete) associações de criadores dando visibilidade a 22 (vinte e duas) das 47 (quarenta e sete) raças autóctones portuguesas: raças ovinas, caprinas, suínas, equídeas, avícolas e bovinas.

28379809_175465279900548_6812867405306261339_n

Atualmente, esta federação encontra-se a desenvolver um projeto de internacionalização designado por Portuguese Beef.

Este projeto, cofinanciado pelo Compete 2020 visa a promoção e a divulgação nos mercados internacionais, nomeadamente Canadá, Reino Unido, França, Luxemburgo e Alemanha, da carne bovina das raças autóctones portuguesas, considerando as raças Arouquesa, Barrosã, Cachena da Peneda, Marinhoa, Maronesa, Mirandesa e Minhota.

Os territórios onde os animais são criados (solar e áreas de dispersão) e as características que os definem, naturais e culturais, adquirem uma importância relevante para a boa prossecução do Portuguese Beef, cujos produtos são sinónimo de qualidade e de referência, representando grandes atributos do nosso país – a natureza, diversidade, singularidade dos produtos, tradição e autenticidade. Posto isto, o presente projeto permitirá, paralelamente, a promoção internacional das regiões, das suas gentes e tradições.



publicado por Carlos Gomes às 20:04
link do post | favorito

Segunda-feira, 5 de Março de 2018
DE COMO UM RIBATEJANO SE APAIXONA PELO MINHO NUM BAIRRO DE LUANDA

* Crónica de Alfredo de Sousa Tomaz

Poderá parecer estranho o título desta crónica mas compreender-se-á se aceitarmos como uma fatalidade as “voltas que o Mundo dá” e as surpresas que nos reserva.

24993389_1663340920391801_3233345369951514855_n

Nasci na Cova da Iria, freguesia de Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém, distrito de Santarém, província do Ribatejo. Sou, portanto, ribatejano de nascimento mas de coração tenho várias “naturalidades”.

Era eu ainda uma criança quando o meu pai decidiu partir para Angola no início da década de cinquenta, em busca de melhores condições de vida para si e para os seus. Eu sou o sexto filho de uma prole de nove que precocemente ficou reduzida a oito com a morte da minha irmã mais nova ainda com poucos meses de vida.

Em Luanda vivi toda a minha adolescência no bairro da Praia do Bispo, um bairro geográfica e socialmente dividido em dois. Implantado numa faixa de terra entre as arribas e o mar a sul da fortaleza de S. Miguel e era constituído por casas de dois pisos edificadas em frente ao mar e por outras casas mais modestas, apenas de rés-do-chão, construídas por trás das primeiras. Tanto umas como outras obedeciam a um projecto arquitectónico padrão.

As casas de dois pisos, mais bem localizadas, foram construídas pelo Estado para residência dos funcionários públicos, enquanto as mais modestas foram os próprios moradores que as ergueram, como foi o caso de meu pai.

Apesar desta aparente discriminação “geográfico-arquitectónica”, se me é permitido o termo, entre as suas gentes reinava a amizade e a comunhão de interesses, principalmente entre os mais jovens.

A principal característica do bairro era o facto de lá viver gente dos mais variados pontos do país, do Minho a Timor como se dizia na época. Tal facto originou uma mescla de culturas onde cada um, orgulhoso das suas origens, dava a conhecer os usos e costumes das suas terras, principalmente os jogos tradicionais e o folclore. Assim nasceu o Rancho Folclórico da Praia do Bispo, uma espécie de “filial” de Santa Marta de Portuzelo, sob a orientação do maestro José Pedro Martins Coelho, ilustre vianense que além de músico e maestro era também profundo conhecedor do folclore minhoto.

Nunca me senti com jeito para voltear ao som da chula, vira ou gota, mas apaixonado que estava por aquelas alegres danças e cantigas, não perdia um ensaio ou uma actuação do rancho, de que faziam parte um irmão e duas irmãs.

Obrigado maestro Zé Pedro por me ter aberto os olhos e os ouvidos para o Minho. Para minha satisfação sou hoje um minhoto adoptivo pois vivo em Ponte da Barca onde envelheço ao som das concertinas.

26235148_1685111764881383_1031032122_n

26241330_1685111784881381_1340357835_n

26241594_1685111771548049_1721685787_n

26552614_1685111778214715_718704549_n

Na fotografia de 1958 vêm-se em pormenor as tais casas de primeiro andar cuja construção se estendeu depois ao longo de toda a avenida como pode ver-se na outra foto. No circulo vermelho a minha casa. Não acredite na legenda. Nunca existiu nenhum paço episcopal naquele local. Existiu sim e ainda lá está, no alto da arriba junto ao palácio presidencial (ao tempo do governador). Dizia-se que antigamente o bispo descia as barrocas com o seu séquito para se ir banhar ao mar e terá vindo daí o nome do local.



publicado por Carlos Gomes às 21:54
link do post | favorito

ESCRITOR ALFREDO DE SOUSA TOMAZ APRESENTA EM OURÉM O LIVRO “O HOMEM QUE NÃO TINHA UMA FAZENDA EM ÁFRICA

O escritor reside em Ponte da Barca onde recentemente apresentou a sua obra na Casa da Cultura

Data: 22 de Abril

Hora: 14h30

“O homem que não tinha uma fazenda em África”, da autoria de Alfredo de Sousa Tomaz, vai ser apresentado no dia 22 de Abril, às 14h30. É o dia dedicado aos "Poetas Oureenses", integrado na "Festa do Livro de Ourém 2018" que decorre de 18 a 25 de Abril.

24993389_1663340920391801_3233345369951514855_n

Com prefácio de Ricardo de Saavedra, conceituado jornalista e escritor, a obra compila uma série de histórias vividas pelo autor, desde que partiu para Angola ainda criança até ao momento em que teve de a deixar compulsivamente 25 anos depois.

Mais de quatro anos depois de se ter lançado nesta "aventura", Alfredo de Sousa Tomaz vê agora o nascer deste "filho", impulsionado, segundo o autor, pela publicação na revista Notícias Magazine, suplemento do Jornal de Notícias e Diário de Notícias, em 2010, de algumas das suas histórias de África: "como tinha muitas mais histórias para contar, decidi reuni-las em livro."

O autor refere, ainda, o orgulho em poder apresentar a obra em Ponte da Barca pois "embora não tendo nascido em Ponte da Barca, nem tampouco no Minho, escolhi para viver esta terra que me adoptou.”

Tal como Ricardo de Saavedra descreve no prefácio é este "livro sereno, perpassado por vezes de um subtil humor, que constitui uma achega preciosa à história que no terreno e dia a dia se viveu e ninguém teve ainda coragem para escrever.”

Alfredo Tomaz nasceu na Cova da Iria, Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém, a 29 de Julho de 1942. Sexto filho de uma família numerosa e modesta, seu pai, para dar melhores condições de vida aos seus, partiu para Angola no início da década de 50 com os seus irmãos mais velhos, tendo-se-lhes juntado pouco depois o resto da família. Em Outubro de 1961 regressou a Portugal para cumprir o serviço militar na Força Aérea, onde permaneceu até Janeiro de 1965. Pouco depois de regressar a Luanda conheceu Maria de Fátima, com quem veio a casar em Dezembro de 1967. Dessa união nasceram dois filhos.

Em Luanda a sua atividade profissional esteve quase sempre ligada às viagens e turismo, tendo trabalhado na Companhia Nacional de Navegação e numa agência de viagens.

Em 1976, depois de um quarto de século de aventuras, venturas e desventuras, o autor regressou definitivamente a Portugal com a família, tendo-se fixado em Matosinhos, onde exerceu a sua atividade comercial até 2007. Atingida a idade da reforma, foi viver com a esposa para Ponte da Barca, Alto Minho, onde permanecem até hoje, assumindo orgulhosamente a condição de “minhotos adotivos”. Esta obra, não sendo exatamente uma autobiografia, é, contudo, baseada no percurso de vida do autor por terras de África.

22491669_1608428945882999_5215796107773029724_n



publicado por Carlos Gomes às 21:47
link do post | favorito

Segunda-feira, 8 de Agosto de 2016
O PAÍS ESTÁ A ARDER – FOGOS FLORESTAIS TÊM DE ACABAR!

Todos os anos por esta época, o país transforma-se num autêntico inferno. De norte a sul, o fogo destrói a floresta, casas de habitação e coloca em risco a segurança de pessoas e bens, incluindo aqueles que arriscam a sua própria vida para darem combate às chamas. E a sua ocorrência tem sido tão persistente ao longo de décadas que a maior parte dos portugueses já encara o fenómeno como uma fatalidade.

13895013_1679428515714880_6139815500956258625_n (1).jpg

Ponte de Lima apresentava ontem este cenário

O constante despovoamento do interior e a falta de limpeza da floresta, o desaparecimento dos cantoneiros e o abandono da exploração da resina em consequência do surgimento das colas e tintas sintéticas constituem alguns dos fatores que contribuem para a propagação de incêndios na medida em que não previnem a sua ocorrência.

Por seu turno, certos descuidos como a realização pequenas fogueiras ou o lançamento inadvertido de beatas acesas, embora feito de forma não-intencionada, poderão estar na origem de muitos dos sinistros. Mas, o que já não convence a esmagadora maioria dos portugueses é que a maior parte dos fogos não tenha origem criminosa, quaisquer que sejam as motivações que estejam por detrás dos mesmos.

Um pouco por toda a parte, são desde há muitos anos frequentes os testemunhos de populares referindo a localização de artefactos incendiários e até o ateamento de fogos a partir de aeronaves. Todos os anos são detidos em flagrante alguns indivíduos que depois são presentes a julgamento. Mas, no ano seguinte, eis que o fogo regressa com tanta ou mais intensidade, parecendo contrariar todos os procedimentos com vista à sua prevenção. E, tirando partido das elevadas temperaturas que se estão a registar, tudo leva a crer que o país vai este ano ficar reduzido a cinzas!

Não nos cabe dizer o que será necessário fazer para de uma vez por todas acabar com a ocorrência sistemática de incêndios florestais, mais uma coisa é certa: isto tem de acabar!

Texto: Carlos Gomes / Foto: Amândio Sousa Vieira.



publicado por Carlos Gomes às 16:07
link do post | favorito

Quinta-feira, 4 de Agosto de 2016
TRAJO POPULAR DESFILA EM SANTO TIRSO

13620933_1012431355473154_1555566182750262841_n (4).jpg



publicado por Carlos Gomes às 09:48
link do post | favorito

Quinta-feira, 28 de Julho de 2016
TRAJO POPULAR DESFILA EM SANTO TIRSO

13620933_1012431355473154_1555566182750262841_n (2).jpg 

 



publicado por Carlos Gomes às 10:43
link do post | favorito

Domingo, 24 de Julho de 2016
RANCHO "OS MOLEIROS" DA RIBEIRA, DE OURÉM, PARTICIPA NO FESTIVAL INTERNACIONAL DE FOLCLORE DE PEVIDÉM EM GUIMARÃES

13585098_1014335095282780_3215704024306831662_o (1).jpg



publicado por Carlos Gomes às 15:33
link do post | favorito

Quinta-feira, 7 de Julho de 2016
FAMALICENSES VISITAM SANTUÁRIO DE FÁTIMA

Já estão abertas as inscrições para o passeio sénior que a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão promove todos os anos ao Santuário de Fátima. As inscrições gratuitas destinam-se a todos os seniores do concelho com mais de 65 anos de idade e pessoas reformadas, e decorrem nas juntas de freguesia do concelho até 29 de julho.

Passeio Sénior a Fátima é já uma tradição com quase duas décadas (1).jpeg

O passeio já tem data marcada e realiza-se a 9 de setembro. Refira-se que a iniciativa que é já uma tradição com quase duas décadas, não tem custos para os idosos decorrendo no âmbito das atividades de animação social do programa municipal “Famalicão – Concelho Solidário”. O passeio é organizado pelo pelouro de Ação Social da Câmara Municipal, em estreita articulação com as todas as Juntas de Freguesia do Concelho. Em 2015, participaram na iniciativa mais de nove mil idosos.



publicado por Carlos Gomes às 16:24
link do post | favorito

Quarta-feira, 6 de Julho de 2016
MINHOTOS REALIZAM FESTA DO IDOSO EM FÁTIMA

Integrado no âmbito do Programa Envelhecimento Ativo 2016, que é anualmente dinamizado pela Rede Social de Esposende, a Câmara Municipal de Esposende vai realizar, no próximo dia 16 de setembro, a 21ª edição da Festa do Idoso, com o habitual passeio ao Santuário de Fátima.

fátima (1).JPG

As inscrições encontram-se abertas de 7 de julho a 12 de agosto, nas sedes de Junta das Freguesias do concelho, que se associam ao Município na organização do evento.

Podem participar nesta iniciativa os idosos com idade igual ou superior a 65 anos, pessoas portadoras de deficiência com autonomia, com idade superior a 35 anos, e pessoas que frequentam as Instituições Particulares de Solidariedade Social com valência para a terceira idade.

O programa inclui, como habitualmente, a Celebração da Eucaristia, na Basílica da Santíssima Trindade, pelas 12h15, seguida do piquenique no parque do Santuário, estando o regresso a casa previsto para as 18h30.

Para além de proporcionar a visita ao Santuário de Fátima, local que os idosos muito apreciam, esta iniciativa constitui, também, uma oportunidade para proporcionar aos participantes momentos de convívio e de lazer.

O Programa “Envelhecimento Ativo” tem contribuído, de forma efetiva, para a qualidade de vida desta franja da população, promovendo o seu bem-estar, a inclusão social e o seu reconhecimento na comunidade.  Deste modo, os idosos têm, a oportunidade de participar, ao longo de todo o ano e de forma gratuita, num conjunto muito diversificado de atividades de vária índole, nomeadamente de caráter lúdico, recreativo, desportivo, musical, cultural e desportivo. Por outro lado, o programa tem vindo a fortalecer as parcerias locais, permitindo concertar esforços, otimizar recursos, integrar contributos e complementar a intervenção em vista a promoção de um envelhecimento ativo.

fátima 1 (1).JPG



publicado por Carlos Gomes às 20:20
link do post | favorito

Segunda-feira, 13 de Junho de 2016
ANAF'S PROMOVE ACAMPAMENTO JOVEM NO CAMPO DA CARIDADE EM OURÉM

Como já vem sendo hábito desde de 2011, a ANAF’S volta a realizar uma ação de características semelhantes às anteriormente efetuadas em Évora, no Campo da Caridade em Ourém, na Bataria da Laje em Oeiras e no ano passado em Arranhó em Arruda dos Vinhos recebendo alguns dos jovens familiares dos nossos Sócios e Parceiros, coabitando com eles, em ambiente de emergência, durante alguns dias.

090720153570.jpg

Assim, este ano de 29JUN16 a 03JUL16 volta a Ourém e desta feita utilizando as instalações do Centro Desportivo da CARIDADE, do Clube Atlético Ourense continuando a introduzir algumas atividades formativas para a criação de uma postura resiliente neste núcleo de jovens. Isto é, iremos recebe-los e fazendo-os viver connosco, os jovens, nossos e vossos familiares, num espaço preparado para o efeito, as condicionantes de uma vida em situação de pós-emergência.

Durante a permanência na Base de Operações (BoO) desenvolveremos alguma formação, em alguns casos recordando conhecimentos e medidas de autoproteção já divulgadas nas edições anteriores, caso dos “CINCO GESTOS DE SOCORRO”, “O CAMINHO DA SEGURANÇA”, “MEDIDAS DE MINIMIZAÇÃO DO RISCO SÍSMO-TERRAMOTO”, “LUTA CONTRA O FOGO”, “MOVIMENTAÇÃO DE VÍTIMAS” e desenvolvendo outras atividades da vida do Campo, como seja montarem as suas próprias tendas, confecionarem uma refeição saudável e tradicional (slow food), assistirem a outras missões das nossas unidades (utilização de cães de catástrofe, telecomunicações, orientação) e, finalmente disciplinarem coletivamente os comportamentos numa situação de emergência.

Tentará igualmente desenvolver outras ações de características mais lúdicas, como seja fazerem uma pequena pista de obstáculos militares.

Como vem sendo hábito e com o apoio do nosso Parceiro Câmara Municipal de Ourém, levaremos os participantes a uma visita guiada ao Centro Histórico de Ourém e ao seu Museu Municipal, para além de se disponibilizar uma tarde nas Piscinas Municipais. Instava pois, os Senhores Coordenadores Operacionais e Funcionais, a mobilizarem os nossos efetivos essenciais à realização de esta ação e os Delegados a divulgarem-na de forma empenhada, para que os nossos Sócios e principalmente os seus filhos, netos, sobrinhos e outros familiares dela beneficiem.

Igual procedimento estará como habitualmente aberto em relação aos familiares jovens dos nossos Parceiros. Aproveitando a disponibilidade da Câmara Municipal de Ourém e do seu Serviço Municipal de Proteção Civil, na cedência de instalações, a ANAFS, através das suas Unidades Operacionais, montará uma BoO no Centro Desportivo da CARIDADE, que servirá para rececionar e apoiar durante a sua permanência, os nossos “participantes” – Sócios, Parceiros e os seus jovens acompanhantes. Estes terão que ser obrigatoriamente portadores: -Chapéu -Roupa ligeira (três/quatro mudas) -Calçado fechado, com meias (botas, ténis ou similar) -Chinelos de banho -Fato de banho -Camisola ou casaco para a noite -Palamenta (copo, prato, talher) -Saco-cama -Esteira -Bolsa de higiene pessoal (sabonete, shampoo, dentífrico, escova de dentes, pente ou escova de cabelo, creme hidratante-protetor solar, baton para o cieiro) -Toalha de banho -Medicamentos de utilização pessoal e habitual -Lanterna portátil.

Todos dormirão em tendas, que apresentam capacidades para 2, 3, 4 pessoas, no entanto, os mais pequenos dormirão sempre acompanhados por um adulto. A alimentação será a habitual para situações de emergência, mas muito apoiada em cozidos e grelhados. A ANAFS garantirá o apoio de qualquer item que não seja disponível aos participantes, devendo ser informada de qualquer limitação alimentar que os participantes apresentem e podendo garantir extraordinariamente o transporte entre Lisboa e Ourém, a quem atempadamente o solicitar.

A apresentação dos participantes deverá realizar-se a partir de 291700JUN16, afim de todos beneficiarem das atividades que se desenvolverão desde a manhã de 30JUN16. A ANAFS suportará a totalidade dos custos de estadia, incluindo seguros da operação, mas dentro da fragilidade da sua tesouraria terá de receber pequenas comparticipações dos participantes: -CRIANÇAS – 30€ - ADULTOS – 60€ (não Sócios)

Poderá também ser efetuada através da ficha de inscrição, a qual deverá ser preenchida e atempadamente enviada para anafsnacional@gmail.com, para o fax 216032115 ou ainda por correio para a morada da ANAFS.

ANAFS.PNG

DSCN0987.JPG

DSCN0994.JPG

DSCN1126.JPG

IMG_20150711_183252.jpg

timthumb (1) (2).jpg

timthumb (2) (1).jpg

timthumb (3) (1).jpg

timthumb (4) (1).jpg

timthumb (5) (1).jpg

timthumb (6) (1).jpg



publicado por Carlos Gomes às 19:12
link do post | favorito

Sábado, 28 de Maio de 2016
HÁ 90 ANOS, TEVE INÍCIO EM BRAGA A REVOLUÇÃO NACIONAL QUE DERRUBOU A PRIMEIRA REPÚBLICA E ABRIU CAMINHO À INSTAURAÇÃO DO ESTADO NOVO

Passam precisamente 90 anos sobre a data em que um levantamento militar, então denominado por Revolução Nacional, derrubou o regime instaurado dezasseis anos antes e que, ao longo da sua curta existência, se caraterizou por uma grande instabilidade política e uma profunda crise económica.

Entre os protagonistas do movimento que em 1926 instaurou a ditadura militar contavam-se muitos republicanos que antes haviam participado na implantação da República, em 1910 e que apostavam agora na regeneração do próprio regime. Pese embora as semelhanças entre a situação vivida à época e as atuais circunstâncias não constituam mais do que meras coincidências, os acontecimentos que então se viveram não devem deixar de constituir um motivo de reflexão.

“Em 28 de Maio de 1926 ocorre um levantamento militar no norte de Portugal, com o objectivo de tentar repor a ordem no país, que durante os últimos dois anos (desde 1924) está continuamente à beira da guerra civil.

Com um movimento sindicalista completamente controlado por sectores da esquerda anarquista, que provoca incidentes violentos, criam-se condições para a instalação de um regime de terror, em que os assassinatos e os atentados terroristas se sucedem todas as semanas.

A instabilidade política atinge uma situação de pré guerra-civil com confrontos entre unidades militares e com a sublevação de unidades do exército, nomeadamente da aviação do exército (na altura não havia Força Aérea).

A instabilidade generalizada atinge um ponto de ruptura e leva alguns dos principais comandos militares a uma revolta.

A revolução propriamente dita tem origem em Braga, a capital da província do Minho, uma das regiões mais povoadas de Portugal. O comando das operações é assumido pelo General Gomes da Costa, que chega à cidade na noite do dia 27.

A 28 de Maio, uma Sexta-feira é proclamado o movimento militar e inicia-se a movimentação de forças desde Braga para Lisboa. Ao longo do dia seguinte, Sábado, 29 de Maio, unidades militares de todo o país declaram o seu apoio aos militares golpistas, enquanto que em Lisboa a chefia da polícia também adere ao golpe.

Gomes da Costa comanda em Braga as forças do Regimento de Infantaria nº 8.

No entanto, opõem-se-lhe as forças comandadas desde o Porto pelo comandante da III Divisão do exército, Gen. Adalberto Sousa Dias, que manda as suas tropas avançar em direcção a Braga e assumir posições defensivas em Famalicão, a meio caminho entre o Porto e a cidade revoltosa.

Mas no dia seguinte, 29 de Maio, são anunciadas adesões ao golpe por parte de divisões militares com base em Vila Real, Viseu, Coimbra, Tomar e Évora (4ª Divisão), isolando as forças do Porto.

No Domingo, 30 de Maio o comandante da III Divisão anuncia que as suas forças também aderem ao golpe, deixando assim o caminho livre para as tropas de Gomes da Costa que marcham pelo Porto sem oposição.

O governo em Lisboa, verificando não ter qualquer capacidade para controlar a situação, apresenta a demissão ao Presidente da República Bernardino Machado.

Na Segunda-feira dia 31, o poder está formalmente nas mãos de Mendes Cabeçadas, com a resignação oficial de Bernardino Machado, embora nesse mesmo dia ainda ocorra a última sessão da Câmara dos Deputados e do Senado. O palácio de S. Bento, será encerrado na tarde dessa Segunda-feira pela GNR, e só voltará a receber deputados eleitos, 49 anos depois, em 1975.

Na Terça-feira, dia 1 de Junho, quatro dias depois de a coluna de tropas revoltosas ter saído de Braga, encontra-se em Coimbra, onde o líder da revolta militar declara a formação de um triunvirato governativo ao qual presidirá e que será também constituído por Mendes Cabeçadas e Armando Ochoa.

O movimento militar, transforma-se então numa autêntica revolução com a adesão de inúmeros sectores da sociedade portuguesa, desejosos de acabar com o clima de terror e violência que se tinha instalado no país.

No dia 3 de Junho, Quinta-feira, as tropas de Gomes da Costa chegam a Sacavém, e a situação aparece confusa, pois não há exactamente a certeza de quem deverá formar parte do novo governo. Entre as novas figuras, surge a do crucial Ministro das Finanças, um professor de Coimbra, que mais tarde assumirá a chefia do Governo, Oliveira Salazar.

No dia seguinte, Sexta-feira, 4 de Junho, o comando é transferido para a Amadora, onde chegam também forças da 4ª Divisão vindas de Évora.

No dia 7 de Junho de 1926, as várias colunas militares que entretanto se formaram efectuam uma parada militar em Lisboa que serve também como afirmação de força, na qual participam 15.000 homens.

A revolução implantou um regime militar que duraria formalmente até 1933, sendo seguido pela aprovação de uma nova Constituição e pela institucionalização do «Estado Novo», um regime autocrático em parte inspirado no movimento fascista italiano que tinha acabado de despontar em Itália, mas controlado pelos sectores católicos conservadores portugueses.

O regime implantado com a revolução de 28 de Maio, conseguiu recuperar da situação económica absolutamente caótica a que a chamada «República Laica» o tinha feito chegar após o golpe de 5 de Outubro de 1910.

No entanto, embora tivesse recuperado a economia do país, o regime implantado em 28 de Maio de 1926, entrou por sua vez (após o final da II Guerra) num lento processo de apodrecimento que acabaria por conduzir a um outro movimento de contornos idênticos, também dirigido pelos militares em 25 de Abril de 1974, que como o movimento de 28 de Maio, triunfaria por causa do enorme apoio que teve nas ruas.”

Fonte: http://www.areamilitar.net

800px-Desfile_de_tropas_28_de_Maio_1926



publicado por Carlos Gomes às 00:44
link do post | favorito

Segunda-feira, 23 de Maio de 2016
REVISTA “FOLKLOURES” DIVULGA RANCHO DO OLIVAL

O Rancho Folclórico “Os Moleiros da Ribeira” do Olival – Ourém possui destaque de página inteira na revista “FolkLoures”, uma publicação que se destina à divulgação de todos os grupos e entidades participantes no Encontro de Culturas “Verde Minho” que, a partir deste ano, passou a usar a marca “FolkLoures”. O artigo inclui ainda duas imagens do Rancho Folclórico que, no próximo dia 28 de Maio, vai representar Ourém e a região da Alta Estremadura naquele evento que se realiza no concelho de Loures.

A revista que iniciou a sua publicação o ano passado, é editada pelo Rancho Folclórico Danças e Cantares “Verde Minho”, o grupo anfitrião do FolkLoures.

Para além da apresentação dos diversos grupos folclóricos, a revista reproduz na capa uma pintura Alfredo de Morais retratando a Festa de Nossa Senhora d’Agonia, em Viana do Castelo, insere abundante publicidade dos seus patrocinadores e publica como nota de abertura um artigo da autoria do Presidente da Câmara Municipal de Loures, Dr Bernardino Soares, para além de outras entidades ligadas ao folclore e ao associativismo popular.

Esta iniciativa constitui um bom exemplo daquilo que poderia ser feito no concelho de Ourém em prol da divulgação da sua cultura tradicional, assim consigam as autarquias locais, os grupos folclóricos e outras entidades conjugar esforços para a sua afirmação.



publicado por Carlos Gomes às 20:41
link do post | favorito

Quarta-feira, 4 de Maio de 2016
RANCHO FOLCLÓRICO “MOLEIROS DA RIBEIRA”, DO OLIVAL, REPRESENTA OURÉM E A ALTA ESTREMADURA NO ENCONTRO DE CULTURAS EM LOURES

Rancho “Moleiros da Ribeira” canta e dança no Encontro de Culturas Verde Minho e será recebido pelos autarcas do Município de Loures nos Paços do Concelho

O Rancho Folclórico “Os Moleiros da Ribeira”, de Olival, do concelho de Ourém, vai no próximo dia 28 de Maio representar as tradições da Alta Estremadura no XXIII Encontro de Culturas Verde Minho que se realiza na cidade de Loures.

156854_514617745246094_1045082913_n

O festival tem como cenário a magnífica réplica das ruínas de S. Paulo, em Macau, a qual serviu de fachada ao Pavilhão de Macau na Expo’98. Naquele local vão desfilar os usos e costumes das nossas gentes, exibindo as suas tradições, as danças e cantares, ao som da concertina e do cavaquinho e ao ritmo dos bombos e dos reco-recos, das castanholas e dos ferrinhos, mostrando como se canta e dança o vira e o malhão, a chula a rusga e a cana-verde.

539092_514617598579442_1545037926_n

Pelas 16 horas no Parque da Cidade, serão abertos os pavilhões, com artesanato e gastronomia do Minho, animados por vários grupos de tocadores em concertina.

Às 17,30 horas terá lugar a entrega de lembranças e imposição de insígnias nos estandartes dos grupos, em cerimónia solene a ter lugar nos Paços do Concelho onde serão recebidos pelos autarcas do município de Loures. Às 18,00 horas, dar-se-á início ao Desfile Etnográfico a partir do largo fronteiro aos Paços do Concelho, rumo ao Jardim da Cidade. Às 19,00 horas, os grupos realizam um Jantar convívio no Restaurante CopaCabana. E, finalmente, às 21,00 horas, ocorrerá a exibição em palco, no Jardim da Cidade, dos grupos participantes.

544499_514617278579474_1754568775_n

Além do Rancho Folclórico “Os Moleiros da Ribeira”, de Olival, participam ainda no evento o Grupo de Bombos Zés Pereiras os Baionenses – Baião (Alto Douro); o Grupo de Bombos da Associação de Melhoramentos das Mercês – Mem Martins, Sintra (Região Saloia); o Rancho Folclore da Aguçadoura - Póvoa de Varzim (Douro Litoral); o Rancho Folclórico As Vendedeiras Saloias de Sintra – Mem Martins, Sintra (Região Saloia); o Rancho Folclórico D. Nuno Alvares Pereira -Leça do Balio – Matosinhos (Douro Litoral) e, naturalmente, o anfitrião Grupo Folclórico e Etnográfico Verde Minho – (Minho), sediado em Loures.

14842403_8DQ2e

Constituído por minhotos e seus descendentes, o Grupo Folclórico e Etnográfico Verde Minho conta mais de duas décadas de existência a representar na região de Lisboa os usos e costumes das gentes do Minho, contribuindo simultaneamente para a preservação da sua identidade.

14842409_HA6ds

Sediado na Freguesia do Olival – atual União das Freguesias da Gondemaria e Olival – em Ourém, o Rancho Folclórico “Moleiros da Ribeira” preserva as tradições das gentes da localidade, com especial relevo para as artes e ofícios dos moleiros. Refira-se que os moinhos ou azenhas constituem um dos elementos mais emblemáticos desta localidade, tendo o próprio Rancho Folclórico preservado a azenha que outrora pertenceu ao escritor Acácio de Paiva e aí instalado um museu etnográfico.

DSCF8324

Por ocasião da sua atuação em Loures, o Rancho Folclórico "Os Moleiros da Ribeira" esperam poder contar com o apoio e aplauso dos numerosos oureenses que vivem na região de Lisboa e outros que porventura desejem acompanhá-los nesta digressão.

i4

Por sua vez, o Grupo Folclórico e Etnográfico Verde Minho desloca-se a Ourém no próximo dia 4 de Junho, para atuar na freguesia do Olival, no festival organizado Rancho Folclórico “Os Moleiros da Ribeira”, retribuindo a atuação do rancho ouriense no Encontro de Culturas que tem lugar em Loures. E, como é apanágio dos minhotos, trazem consigo a alegria e a vivacidade do folclore da sua região.

i6

i14

IMG_1618

IMG_2053

tabuleiro



publicado por Carlos Gomes às 21:42
link do post | favorito

Segunda-feira, 18 de Abril de 2016
INVESTIGADORES DA UTAD ESTUDAM ALTERNATIVAS A BARRAGENS PARA CONTROLO DE CHEIAS

As soluções passam por infraestruturas verdes com menor impacte ambiental e igualmente eficazes.

Um grupo de investigadores da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD) desenvolveu um modelo de redução de cheias com base em bacias de retenção com o objetivo de minimizar o impacto das cheias. O trabalho foi elaborado para a bacia hidrográfica do rio Vez, principal afluente do rio Lima, um dos mais problemáticos do País pela recorrência deste tipo de eventos.

Efeito das cheias na bacia do rio Lima_Vez

Efeito das cheias na bacia do rio Lima/Vez

O local escolhido para este estudo faz parte das 22 regiões sujeitas a inundações do continente português, segundo a Agência Portuguesa do Ambiente (APA). Aqui equacionaram-se vários locais para implantação de bacias de retenção, onde foram tidas em conta a proximidade aos locais de jusante, a densidade populacional e atividades humanas com implicações de poluição difusa ou pontual.

“Os resultados mostraram que são necessários mecanismos de menor impacte para diminuir escoamentos superficiais, alicerçados em infraestruturas verdes, focadas para o aumento de retenção de água pelos aquíferos, solo e ecossistemas aquáticos, em vez de obras de grande porte como barragens”, explica Luís Filipe Fernandes, investigador do CITAB - Centro Investigação e de Tecnologias Agroambientais e Biológicas da UTAD.

Estes sistemas melhoram em simultâneo o “estado ecológico das massas de água, reduzem a vulnerabilidade a cheias e secas, restauram o caráter funcional e maximizam o serviço de ecossistemas”, acrescenta o investigador.

Para chegar a este modelo foram aplicadas equações de engenharia acompanhadas de análise multicritério e tratamento espacial de dados através de Sistemas de Informação Geográfica. Através desta metodologia foi aplicado um modelo de redução de cheias com base em bacias de retenção, tendo em conta três módulos (hidrológico, geomorfológico e ambiental) que entram em linha de conta com o volume de armazenamento e localização apropriada bem como com aspetos como ações do homem, qualidade da água, entre outros.

As cheias urbanas são um problema mundial que afeta também Portugal. Já em 2016 ocorreram, de norte ao sul do país, vários eventos com elevados prejuízos materiais, causados por picos de cheias que, no caso do rio Vez, podem chegar aos 550 m3/s com fluxos associados a uma topografia escarpada e a alta pluviosidade.

Por estas razões os investigadores deste estudo indicam como solução um “extenso programa de reflorestamento para aumentar a evapotranspiração, reduzindo, consequentemente, o escoamento”, uma abordagem que passa pela descentralização do sistema de retenção em várias bacias mais pequenas “facilmente integradas na paisagem natural, com baixo impacto ambiental”.

Este estudo foi recentemente publicado no prestigiado Journal of Hydrology e apresentado no 13º Congresso da Água. O método está neste momento a ser aplicado em outros locais considerados críticos pela APA.



publicado por Carlos Gomes às 11:23
link do post | favorito

Terça-feira, 12 de Abril de 2016
MINHOTOS DANÇAM NO OLIVAL, EM OURÉM

No próximo dia 4 de Junho, a Freguesia do Olival, no concelho de Ourém, vai receber um grupo folclórico minhoto que transporta consigo o colorido e a alegria das gentes do Minho. Trata-se do Grupo Folclórico e Etnográfico Verde Minho, sediado no concelho de Loures, e a sua vinda ao concelho de Ourém efetua-se a título de permuta, uma vez que no próximo dia 28 de maio desloca-se a Loures o Rancho Folclórico “Os Moleiros da Ribeira”, de Olival, a fim de participar no 23º Encontro de Culturas que ali se realiza.

O Rancho Folclórico e Etnográfico Danças e Cantares Verde Minho foi fundado em 11 de Setembro de 1994 com a missão de unir as suas gentes no concelho de Loures e, de uma maneira geral em toda a região de Lisboa e preservar, salvaguardar e divulgar as suas próprias raízes culturais.

Através da sua atuação, visa ainda a promoção cultural, sobretudo junto dos mais jovens e a sua identificação com as tradições culturais da região de origem dos seus pais, a valorização dos seus conhecimentos musicais e da etnografia Portuguesa.

Verde Minho - Loures 099

As danças e cantares que exibem são alegres como as mais exuberantes romarias do Minho. Trajam de linho e sorrobeco, vestem trajes de trabalho e domingueiros, de mordoma e de lavradeira, de noivos, de ir ao monte e à feira. Calçam tamancos e ostentam o barrete e o chapéu braguês. As moças, belas e graciosas nos seus trajes garridos, mostram os bordados que constituem obras primorosas das suas delicadas mãos, revelando o seu tanto artístico. Exibem com garbo os seus colares de contas e a reluzentes arrecadas de filigrana que constituem obra-prima da ourivesaria minhota, de ancestral tradição.

Cantam ao som da concertina e da viola braguesa, do bombo e do reque-reque, dos ferrinhos e do cavaquinho, dançam a chula e o vira, a rusga e a cana-verde, com a graciosidade e a desenvoltura que caracteriza as gentes do Minho. O seu reportório foi recolhido nos começos do século passado, junto das pessoas mais antigas cujo conhecimento foi transmitido ao longo de gerações, nas aldeias mais remotas das serranias da Peneda e das Argas, nas margens do Minho e do Lima, desde Melgaço a Ponte da Barca, do Soajo a Viana do Castelo. Levam consigo a merenda e os instrumentos de trabalho que servem na lavoura como a foicinha e o malho, os cestos de vime e os varapaus, as cabaças e os cabazes do farnel.

Em jeito de divisa, este grupo folclórico lembra: O Minho é Verde – Folclore é Verde Minho!

12170171_984011638309172_1675538608_n

Desfolhada Verde Minho 053



publicado por Carlos Gomes às 20:18
link do post | favorito

RANCHO FOLCLÓRICO “MOLEIROS DA RIBEIRA”, DO OLIVAL, REPRESENTA OURÉM E A ALTA ESTREMADURA NO ENCONTRO DE CULTURAS EM LOURES

No próximo dia 4 de Junho, a Freguesia do Olival recebe no seu festival o Grupo Folclórico e Etnográfico Verde Minho, grupo minhoto sediado em Loures a quem cabe a organização do Encontro de Culturas

Rancho Folclórico “Moleiros da Ribeira” canta e dança no Encontro de Culturas Verde Minho e será recebido pelos autarcas do Município de Loures nos Paços do Concelho.

156854_514617745246094_1045082913_n

Considerado um dos grupos mais representativos da nossa região, o Rancho Folclórico “Os Moleiros da Ribeira”, de Olival, do concelho de Ourém, vai no próximo dia 28 de Maio representar as tradições da Alta Estremadura no XXIII Encontro de Culturas Verde Minho que se realiza na cidade de Loures.

539092_514617598579442_1545037926_n

O festival tem como cenário a magnífica réplica das ruínas de S. Paulo, em Macau, a qual serviu de fachada ao Pavilhão de Macau na Expo’98. Naquele local vão desfilar os usos e costumes das nossas gentes, exibindo as suas tradições, as danças e cantares, ao som da concertina e do cavaquinho e ao ritmo dos bombos e dos reco-recos, das castanholas e dos ferrinhos, mostrando como se canta e dança o vira e o malhão, a chula a rusga e a cana-verde.

544499_514617278579474_1754568775_n

Pelas 16 horas no Parque da Cidade, serão abertos os pavilhões, com artesanato e gastronomia do Minho, animados por vários grupos de tocadores em concertina.

Às 17,30 horas terá lugar a entrega de lembranças e imposição de insígnias nos estandartes dos grupos, em cerimónia solene a ter lugar nos Paços do Concelho onde serão recebidos pelos autarcas do município de Loures. Às 18,00 horas, dar-se-á início ao Desfile Etnográfico a partir do largo fronteiro aos Paços do Concelho, rumo ao Jardim da Cidade. Às 19,00 horas, os grupos realizam um Jantar convívio no Restaurante CopaCabana. E, finalmente, às 21,00 horas, ocorrerá a exibição em palco, no Jardim da Cidade, dos grupos participantes.

14842403_8DQ2e

Além do Rancho Folclórico “Os Moleiros da Ribeira”, de Olival, participam ainda no evento o Grupo de Bombos Zés Pereiras os Baionenses – Baião (Alto Douro); o Grupo de Bombos da Associação de Melhoramentos das Mercês – Mem Martins, Sintra (Região Saloia); o Rancho Folclore da Aguçadoura - Póvoa de Varzim (Douro Litoral); o Rancho Folclórico As Vendedeiras Saloias de Sintra – Mem Martins, Sintra (Região Saloia); o Rancho Folclórico D. Nuno Alvares Pereira -Leça do Balio – Matosinhos (Douro Litoral) e, naturalmente, o anfitrião Grupo Folclórico e Etnográfico Verde Minho – (Minho), sediado em Loures.

14842409_HA6ds

Sediado na Freguesia do Olival – atual União das Freguesias da Gondemaria e Olival – em Ourém, o Rancho Folclórico “Moleiros da Ribeira” preserva as tradições das gentes da localidade, com especial relevo para as artes e ofícios dos moleiros. Refira-se que os moinhos ou azenhas constituem um dos elementos mais emblemáticos desta localidade, tendo o próprio Rancho Folclórico preservado a azenha que outrora pertenceu ao escritor Acácio de Paiva e aí instalado um museu etnográfico.

Por ocasião da sua atuação em Loures, o Rancho Folclórico "Os Moleiros da Ribeira" esperam poder contar com o apoio e aplauso dos numerosos oureenses que vivem na região de Lisboa e outros que porventura desejem acompanhá-los nesta digressão.

DSCF8324

i4

i6

i14

IMG_1618

IMG_2053

tabuleiro



publicado por Carlos Gomes às 09:27
link do post | favorito

Domingo, 6 de Março de 2016
RANCHO FOLCLÓRICO MOLEIROS DA RIBEIRA, DO OLIVAL, REPRESENTA OURÉM NO ENCONTRO DE CULTURAS EM LOURES



publicado por Carlos Gomes às 00:39
link do post | favorito

Domingo, 21 de Fevereiro de 2016
OURÉM LEVA FOLCLORE A LOURES

Rancho “Moleiros da Ribeira” canta e dança no Encontro de Culturas Verde Minho e será recebido pelos autarcas do Município de Loures nos Paços do Concelho

O Rancho Folclórico “Os Moleiros da Ribeira”, de Olival, do concelho de Ourém, vai no próximo dia 28 de Maio representar as tradições da Alta Estremadura no XXIII Encontro de Culturas Verde Minho que se realiza na cidade de Loures.

14842403_8DQ2e

O festival tem como cenário a magnífica réplica das ruínas de S. Paulo, em Macau, a qual serviu de fachada ao Pavilhão de Macau na Expo’98. Naquele local vão desfilar os usos e costumes das nossas gentes, exibindo as suas tradições, as danças e cantares, ao som da concertina e do cavaquinho e ao ritmo dos bombos e dos reco-recos, das castanholas e dos ferrinhos, mostrando como se canta e dança o vira e o malhão, a chula a rusga e a cana-verde.

Pelas 16 horas no Parque da Cidade, serão abertos os pavilhões, com artesanato e gastronomia do Minho, animados por vários grupos de tocadores em concertina.

Às 17,30 horas terá lugar a entrega de lembranças e imposição de insígnias nos estandartes dos grupos, em cerimónia solene a ter lugar nos Paços do Concelho onde serão recebidos pelos autarcas do município de Loures. Às 18,00 horas, dar-se-á início ao Desfile Etnográfico a partir do largo fronteiro aos Paços do Concelho, rumo ao Jardim da Cidade. Às 19,00 horas, os grupos realizam um Jantar convívio no Restaurante CopaCabana. E, finalmente, às 21,00 horas, ocorrerá a exibição em palco, no Jardim da Cidade, dos grupos participantes.

Além do Rancho Folclórico “Os Moleiros da Ribeira”, de Olival, participam ainda no evento o Grupo de Bombos Zés Pereiras os Baionenses – Baião (Alto Douro); o Grupo de Bombos da Associação de Melhoramentos das Mercês – Mem Martins, Sintra (Região Saloia); o Rancho Folclore da Aguçadoura - Póvoa de Varzim (Douro Litoral); o Rancho Folclórico As Vendedeiras Saloias de Sintra – Mem Martins, Sintra (Região Saloia); o Rancho Folclórico D. Nuno Alvares Pereira -Leça do Balio – Matosinhos (Douro Litoral) e, naturalmente, o anfitrião Grupo Folclórico e Etnográfico Verde Minho – (Minho), sediado em Loures.

Constituído por minhotos e seus descendentes, o Grupo Folclórico e Etnográfico Verde Minho conta mais de duas décadas de existência a representar na região de Lisboa os usos e costumes das gentes do Minho, contribuindo simultaneamente para a preservação da sua identidade.

14842400_eDljt



publicado por Carlos Gomes às 21:54
link do post | favorito

Sexta-feira, 22 de Janeiro de 2016
OUREENSES DANÇAM NO BAILE DO CARAMELO



publicado por Carlos Gomes às 21:52
link do post | favorito

Quinta-feira, 24 de Dezembro de 2015
NADAL EN GALICIA… E SÚAS PANXOLIÑAS

Hai festa na parróquia. As xentes xuntam-se à lareira para celebrar a Noiteboa. Unha morea de iguarias enfeita a mesa de torradas molhadas no leite, fritas de gordura e salpicadas con açúcar, compotas de peras no vino tinto, polbo, verduras con bacalhau, sopa de amêndoas, froitos secos e castañas.

Guimarães (24)

À mesa ou xunto a lareira, un escano e un prato vazio é propositadamente deixado para los que están mortos a fin de que a alma possa vir comer e aquecer-se. Depois, xuntam-se as panxolas e os rapaces ván con sús traxes pelos veciños cantar suas panxoliñas, quedándose às portas con súas gaitas e panderetas, piden autorizaçón para entrar, cantán e piden alguma cosa.

                                                   A noitiña de Nadal,

                                                   Noite de gran alegría;

                                                   Naceu un reiciño novo

                                                   Fillo da Virxe María.

                                                   Camiñando vai Xosé,

                                                   Camiñando vai María,

                                                   Camiñan para Belén

                                                   A fin de chegar con día.

                                                   Cando a Belén chegaron,

                                                   Toda a xente dormía,

                                                   Menos un pobre porteiro

                                                   Que estaba na portería.

                                                   - Abre as portas, porteiro,

                                                   - A Xosé e María.

                                                   - Estas portas non se abren

                                                   Ata que Deus traia o día.

                                                   - Estas portas non se abren

                                                   Ata que Deus traia o día.

Depois da Noiteboa e súas panxoliñas celebradas na noitiña de Nadal, as festas prolongam-se ata à Noite Vella que ocorre a 31 de decembro e, daí ata Día de Reis em 6 de xaneiro. Conta unha tradiçión galega que todo lo bruxedo praticado na Noiteboa non logra alcançar ninghúm sucesso, pois é a noitiña do nacemento do meniño Xesús, cando a luz triunfa sobre a escuridón, o Bem sobre o Mal.. E, porque é solstício de inverno, as ervas colhidas en noitiña de San Xoán volven a ter o verde de orixe. Revonava-se o fogo na lareira con un gran tizón que depois de se queimar un póco se apaga. O tizón de Nadal apenas volverá a acender-se cando haxa ameaça de peligro. Na Coruña e en Lugo, en Ourense e Pontevedra, desde Ferrol ata A Guarda, da Moaña ata Castroverde, é Nadal en todolos pobos marinheiros e rurais de Galicia, en todalas aldeas e parroquias se celebra unha festa xenuína que ten a ver coa tradición cultural portuguesa em xeral e das xentes do Miño en particular. Como hai dixo o poeta João Verde:

                                                   - Vendo-os assim tão pertinho

                                                   a Galiza mail-o Minho

                                                   São como dois namorados

                                                   Que o rio tráz separados

                                                   Quase desde o nascimento

 

                                                   - Deixal'os, pois namorar

                                                   já que os pais para casar

                                                   lhes não dão consentimento

Hai, pois, que celebrar todolos xuntos en familia, galegos e portugueses, o noso Nadal, com zambumbas e panxoliñas, con ganas pola la chegada do día da gran naçom portugalaica. Hai que cumprir Portugal!

- Carlos Gomes / http://www.folclore-online.com/



publicado por Carlos Gomes às 00:18
link do post | favorito

Terça-feira, 22 de Dezembro de 2015
HÁ XADREZ NO MUSEU DE ARTE SACRA E ETNOLOGIA DE FÁTIMA



publicado por Carlos Gomes às 10:08
link do post | favorito

Sábado, 5 de Dezembro de 2015
LIVRO “GÉRALD BLONCOURT – O OLHAR DE COMPROMISSO COM OS FILHOS DOS GRANDES DESCOBRIDORES” LANÇADO EM PORTUGAL

Teve ontem lançamento em Fafe o livro Gérald Bloncourt – O olhar de compromisso com os filhos dos Grandes Descobridores”.

1

A obra, concebida e realizada pelo historiador português Daniel Bastos a partir do espólio do conhecido fotógrafo que imortalizou a história da emigração portuguesa para França nos anos 60, foi apresentada em Fafe, cidade que alberga o Museu das Migrações e das Comunidades, numa sessão que encheu por completo o auditório da Biblioteca Municipal e que esteve a cargo da conhecida socióloga das migrações Maria Beatriz Rocha – Trindade.

2

Além das imagens históricas que o fotógrafo de 89 anos captou sobre a vida dos emigrantes portugueses nos bidonvilles de Paris, que já integraram várias exposições em Portugal e França, a obra traduzida para português e francês pelo docente Paulo Teixeira, e prefaciada pelo consagrado ensaísta e pensador Eduardo Lourenço, reúne memórias, testemunhos e mais de centena e meia de fotografias originais da maior importância para a história portuguesa do último meio século.

Impossibilitado de estar presente na sessão de lançamento, o fotógrafo francês, cavaleiro da Ordem Nacional da Legião de Honra francesa, a mais alta distinção civil de França, enviou uma mensagem afirmando: “as fotografias do livro do meu amigo Daniel Bastos são testemunho da aventura extraordinária que passei ao lado dos emigrantes portugueses que partiram para França entre 1954 e 1974. Agradeço ao Daniel Bastos, ao Paulo Teixeira, ao Eduardo Lourenço, à Conceição Tina, à Maria Beatriz Rocha-Trindade, e a todos que apoiaram este livro de registo de momentos inesquecíveis de dignidade e fraternidade com os filhos dos grandes descobridores”.

No decurso da sessão, Maria Beatriz Rocha – Trindade, autora de uma vasta bibliografia internacional sobre matérias relacionadas com as migrações, afirmou que embora sendo um olhar retrospetivo sobre o fenómeno da emigração portuguesa, a obra mantém plena atualidade e pertinência perante o drama dos migrantes e refugiados que comove a Europa.

4

Refira-se que a obra é patrocinada por duas dezenas de empresas representativas do tecido socioeconómico luso-francês. Como o Hipermercado E.Leclerc, rede de hipermercados de origem francesa que irá comercializar a obra em várias superfícies comerciais em Portugal, estando agendado para 12 de dezembro (sábado) a apresentação do livro no E.Leclerc de Chaves, distrito de Vila Real.

O livro será também comercializado pela cadeia de lojas FNAC, estando agendado para 19 dezembro (sábado) às 21h00 a apresentação da obra na FNAC em Guimarães, e no dia 22 de janeiro (sábado) às 21h30 na FNAC em Braga, sessão que assinalará a inauguração de uma exposição fotográfica evocativa da ligação de Gérald Bloncourt a Portugal e que circulará de três em três por todos os espaços culturais da FNAC no território nacional.

No início de 2016 estão agendadas várias sessões de apresentação da obra junto das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro, em particular da numerosa comunidade portuguesa radicada em Paris, uma sessão carregada de grande simbolismo que contará com a presença do fotógrafo que durante mais de vinte anos escreveu com luz a vida dos portugueses em França e em Portugal.

11



publicado por Carlos Gomes às 22:13
link do post | favorito

Terça-feira, 27 de Outubro de 2015
FEDERAÇÃO DO FOLCLORE PORTUGUÊS REÚNE CONGRESSO PARA JOVENS FOLCLORISTAS

O Blogue AUREN privilegia a defesa do nosso património cultural, incluindo os usos e costumes tradicionais das nossas gentes, razão pela qual tem vindo a destacar-se na divulgação das nossas raízes folclóricas, sendo um dos espaços na internet que maior relevo confere às atividades dos grupos e ranchos folclóricos, sem esquecer a própria Federação do Folclore Português.

Porém, se mais não divulga, isso dever-se-á a razões que lhe são alheias pois, apesar de insistentes contactos, aquela entidade não faculta qualquer resposta, revelando o seu sentido de urbanidade.

Consagra o artigo 37º da Constituição da República Portuguesa a Liberdade de expressão e informação, segundo o qual “Todos têm o direito de exprimir e divulgar livremente o seu pensamento pela palavra, pela imagem ou por qualquer outro meio, bem como o direito de informar, de se informar e de ser informados, sem impedimentos nem discriminações

Apesar de tão estranha atitude, não deixa o Blogue AUREN de dar a conhecer a sua iniciativa, não privando os seus leitores da informação a que têm direito.

Viana-do-Castelo-acolheu-Congresso-para-Jovens-Fol

Viana do Castelo acolheu Congresso para Jovens Folcloristas

O Centro Cultural de Viana do Castelo recebeu, durante o final de semana, o Congresso da Federação do Folclore Português para jovens Folcloristas 2015, cujo tema principal de debate foi “Jovens e Tradição: perspetivas de renovação”. Na sessão solene de abertura, o autarca de Viana do Castelo louvou o trabalho dos grupos na defesa e preservação do folclore e das tradições etnográficas e lembrou que Viana do Castelo tem sabido conservar o seu património cultural.

O congresso, que teve como objetivos abordar temáticas como as aceções da etnografia e do folclore na contemporaneidade, formar e capacitar os jovens folcloristas, compreender a etnografia e o folclore, facultar abordagens de ação inovadoras e promover a representatividade do movimento folclórico português, contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal, José Maria Costa, e da vereadora da cultura, Maria José Guerreiro.

Na sessão, o autarca elogiou o trabalho dos grupos de folclore por serem um espaço de encontros intergeracionais de promoção e valorização cultural popular, referindo ainda que “tem sido o seu trabalho na pesquisa, recolha e preservação das tradições etnográficas que permite que possamos ter fontes e origens do nosso património e que este que seja preservado, sendo que desta forma se valoriza a chamada cultura popular”.

O trabalho de preservação do património cultural é o mesmo que permite a Viana do Castelo ter o epíteto de capital do folclore, sublinhou ainda José Maria Costa, lembrando como exemplo o trabalho que tem sido desenvolvido no Museu do Traje com o seu precioso espólio, bem como com a certificação do traje à vianesa. “Foi graças ao envolvimento dos grupos que foi possível efetuar um bom trabalho de preservação e certificação do traje e da nossa etnografia”, sublinhou ainda.

Fonte: http://local.pt/portugal/viana-do-castelo-acolheu-congresso-para-jovens-folcloristas/



publicado por Carlos Gomes às 20:38
link do post | favorito

Terça-feira, 20 de Outubro de 2015
PONTE DE LIMA: BANDA DE MÚSICA DE ESTORÃOS ATUA EM FORNELOS

FORNELOS – PONTE DE LIMA – 25 DE OUTUBRO – 15h00

Depois do êxito que os recentes concertos descentralizados alcançaram, nomeadamente, em Calheiros e em Bertiandos, com afluências de público dignas de registo, dar-se-á continuidade à programação dos concertos nas freguesias do concelho, desta vez no Adro da Igreja Paroquial de Fornelos, com o espetáculo a cargo da Banda de Música de Estorãos, no próximo Domingo, 25 de Outubro, às 15h00.

A programação de acções culturais descentralizadas será para manter e alargar a outras áreas artísticas, uma vez que os resultados estão a ser excelentes e a adesão das populações aos eventos animam-nos a prosseguir no sentido de levar espectáculos que contribuam para a valorização cultural das nossas gentes, um pouco por todo o território concelhio.

No que concerne ao conjunto de concertos descentralizados, o último do presente ano, ao nível das bandas filarmónicas, está agendado para o dia 8 de Novembro na Correlhã (Igreja Paroquial), também às 15h00.



publicado por Carlos Gomes às 19:35
link do post | favorito

Segunda-feira, 12 de Outubro de 2015
A LENDA DE SANTA IRIA OU NÁBIA, A DEUSA PAGÃ DO RIO NABÃO

Conta a lenda que Iria – ou Irene – nascera em Nabância, uma villae romana próxima de Sellium, a atual cidade de Tomar. Oriunda de uma família abastada, Iria veio a receber educação esmerada num mosteiro de monjas beneditinas, o qual era governado pelo seu tio, o Abade Sélio.

Dotada de beleza e inteligência, a jovem Iria atraía as atenções sobretudo dos fidalgos que disputavam entre si as suas atenções. Contava-se entre eles o jovem Britaldo que por ela alimentou uma enorme paixão. Contudo, Iria entregava-se a Deus e recusava as suas investidas amorosas.

Roído de ciúmes pela paixão de Britaldo, o monge Remígio que era o diretor espiritual de Iria, deu a beber a Iria uma mistela que lhe provocou no corpo a aparência de gravidez, provocando desse modo a sua expulsão do convento, levando-a a procurar refúgio junto do rio Nabão. Britaldo, a que entretanto chegara os rumores do ocorrido, movido por despeito, ordenou a um servo o seu assassínio.

Atirado ao rio Nabão cujas águas correm para o rio Zêzere, o corpo da mártir Iria ficou depositado nas areias do rio Tejo, aí permanecendo incorruptível para a eternidade, tendo o seu culto sido muito popular sobretudo no período do domínio visigótico.

Do nome de Irene – Santa Iria – tomou a antiga Scallabis romana o nome passando a denominar-se de Sancta Irene, daí derivando a atual designação de Santarém. Da mesma maneira que, para além de assinalar um acidente orográfico, a designação toponímica Cova da Iria deverá ter a sua origem no referido culto a Santa Iria, porventura já sob o rito moçárabe ou seja, cristão sob o domínio muçulmano embora adotando aspetos da cultura árabe.

A lenda de Santa Iria e o relacionamento com o local onde nascera ou seja, a villaeromana de Nabância, remete-nos ainda para o culto de Nabia, a deusa dos rios e da água, uma das divindades mais veneradas na antiguidade na faixa ocidental da Península Ibérica ou seja, a área que atualmente corresponde a Portugal e à Galiza.

Com efeito, durante o período que antecedeu à ocupação romana, a deusa Nábia era celebrada pelos povos autóctones, tendo o seu nome sido atribuído a diversos rios como sucede com o Navia, na Galiza e o Neiva e o Nabão em Portugal. Inscrições epigráficas como as da Fonte do Ídolo, em Braga e a de Marecos, em Penafiel, atestam-nos a antiga devoção dos nossos ancestrais à deusa Nábia.

Quando ocuparam a Península Ibérica à qual deram o nome de Hispânia, os romanos que à época não se haviam convertido ainda ao Cristianismo, adotaram as divindades indígenas e ampliaram o seu panteão, apenas convertendo o nome de Nábia para Nabanus, tal como antes haviam feito com os deuses da antiga Grécia.

Qual reminiscência de antigas crenças, o culto pagão à deusa Nábia – ou Nabanus – veio a dar origem à famosa lenda de Santa Iria – ou Santa Irene – cuja festa Ourém prepara-se para celebrar nomeadamente através da realização da tradicional Feira de Santa Iria.



publicado por Carlos Gomes às 21:30
link do post | favorito

Terça-feira, 6 de Outubro de 2015
GRUPO "SONS DO MINHO" ENCERRA CONGRESSO DOS JOVENS FOLCLORISTAS



publicado por Carlos Gomes às 18:53
link do post | favorito

Segunda-feira, 5 de Outubro de 2015
TRATADO DE ZAMORA FOI CELEBRADO HÁ 872 ANOS!

Passam precisamente 872 anos desde a celebração do Tratado de Paz de Zamora entre D. Afonso Henriques e o seu primo, Afonso VII de Leão e Castela, através do qual este reconhece o Reino de Portugal e o uso do título de Rex por parte de D. Afonso.

Na realidade, graças à ação diplomática desenvolvida pelo Arcebispo de Braga, D. João Peculiar, este tratado apenas veio confirmar o poder conquistado pelos portuguesos através das armas, na Batalha de Ourique, em 1139.

Pese embora a sua confirmação pelo Papa Alexandre III apenas em 1179, a data histórica do 5 de outubro de 1143 ficou, a partir de então, simbolicamente estabelecida como o dia da Independência de Portugal.

Quaisquer que sejam as efemérides históricas que desde então ocorreram nesta data – como sucedeu com a implantação da República – ou que venham a ocorrer, nenhuma alcançará tão profundo significado como aquela que regista o nascimento da nossa Nacionalidade e que deveria ser celebrada por todos os portugueses, quaisquer que sejam as suas convicções políticas e ideológicas, porque a Pátria sobrepõe-se às próprias preferências de regime político. Isto porque, acima de tudo, todos somos portugueses!



publicado por Carlos Gomes às 00:00
link do post | favorito

Quinta-feira, 24 de Setembro de 2015
FOLCLORE JUNTA JOVENS EM CONGRESSO

Realiza-se no próximo dia 24 de outubro, no Centro Cultural de Viana do Castelo o Congresso para Jovens Folcloristas – 2015, subordinado ao tema “Jovens e tradição: perspetivas de renovação”, numa iniciativa do Gabinete da Juventude da Federação do Folclore Português.

Os jovens congressistas vão repensar o trabalho dos respetivos grupos junto das suas comunidades, não esquecendo as temáticas já debatidas, de acordo com o seguinte programa:

  1. Debater ações de etnografia e folclore na contemporaneidade;
  2. Formar e capacitar os jovens folcloristas em cultura tradicional e popular portuguesa;
    3. Compreender a etnografia e o folclore enquanto eixos estratégicos na construção da sociedade global;
  3. Facultar abordagens de ações inovadoras nos grupos de folclore;
  4. Promover a representatividade do movimento folclórico português.

Este congresso destina-se a jovens com idade até 35 anos mas toda a gente pode participar. São considerados observadores, os jovens até 35 anos de grupos não federados e as pessoas com mais de 35 anos de grupos federados e não federados.

A escolha da cidade de Viana do Castelo para o efeito não podia ser mais feliz em virtude da importância que esta região confere à preservação da nossa cultura tradicional, ao ponto de ser considerada por muitos como a “capital do folclore”.

O blogue AUREN privilegia a defesa do nosso património cultural, incluindo os usos e costumes tradicionais das nossas gentes, razão pela qual tem vindo a destacar-se na divulgação das nossas raízes folclóricas, sendo porventura um dos espaços na internet que maior destaque confere às atividades dos grupos e ranchos folclóricos, sem esquecer a própria Federação do Folclore Português.



publicado por Carlos Gomes às 08:55
link do post | favorito

Sexta-feira, 18 de Setembro de 2015
FÁTIMA RECEBE VISITA DE 2 MIL PESSOAS DE PÓVOA DE LANHOSO

Passeio Concelhio da Póvoa de Lanhoso já é tradição!

Cerca de duas mil pessoas participaram no Passeio Concelhio a Fátima, que a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso dinamizou no passado dia 15 de setembro com a colaboração das Juntas de Freguesia, das paróquias e da população em geral. Os bombeiros voluntários da Póvoa de Lanhoso também deram apoio à comitiva.

Passeio Concelhio a Fatima 2

A chuva não fez diminuir o entusiasmo das pessoas que participaram, pois a deslocação a Fátima é sempre um momento pelo qual muito anseiam, sendo que, a par da vertente religiosa, existe um saudável convívio, que contribui para a boa disposição reinante.

O Presidente da Câmara Municipal e os seus vereadores marcaram presença. “Sinto-me mais perto da população e, como já estou numa fase de despedida, começo a sentir mais estes momentos, mas estarei sempre presente desde que me convidem e é um orgulho enorme estar entre os Povoenses e entre estes idosos, de quem gosto tanto”, referiu Manuel Baptista, já com alguma nostalgia. “Eu estarei sempre presente, porque o poder a mim não me alterou nada. Continuarei a ser a mesma pessoa, a tentar ajudar as pessoas, mas começa a doer, porque foram já muitos anos que dediquei a este povo maravilhoso e a este concelho. Sinto-me orgulhoso do trabalho que tenho feito ao lado desta gente que é magnífica”, acrescentou. 

Como habitualmente, a saída dos perto de 40 autocarros do nosso concelho começou bem cedo, por volta das 7h00, com passagem pelo recinto da feira semanal para recolha dos lanches destinados aos participantes. Após uma paragem para breve descanso numa estação de serviço, o passeio continuou até ao Santuário de Fátima. Durante o caminho, alguns rezaram o terço, de forma individual ou em grupo.

Já no destino, pouco depois das 12h00, a Basílica da Santíssima Trindade acolheu a celebração de uma eucaristia pelo arcipreste da Póvoa de Lanhoso, padre Armindo Gonçalves, coadjuvado por mais cinco párocos: o padre Albino Carneiro, o padre Salvador Mota, o padre Rafael Poças, o padre Luís Fernandes Peixoto e o padre Augusto Baptista. A celebração foi abrilhantada pelo Grupo Coral de São Martinho de Travassos. O executivo municipal, liderado pelo Presidente da Câmara, Manuel Baptista, assim como outros autarcas locais e populações assistiram e participaram nesta missa, em dia que o calendário católico consagra à Nossa Senhora das Dores.

Terminada a cerimónia religiosa, é hora de almoçar. Munidos de guarda-chuvas e farnéis, debaixo dos sobreiros ou nalgum outro recanto, alguns Povoenses optaram por almoçar ao ar livre; outros optaram por ir para locais abrigados que a Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso providenciou para proteger do tempo chuvoso, que acompanhou a comitiva durante todo o dia, com mais ou menos intensidade. Esta foi ainda uma importante forma de as pessoas conviverem e reverem amizades de outras freguesias.

Maria das Dores da Silva, de Ajude, costuma vir a este passeio. “Acho muito bonito. Gosto do convívio de toda a gente”, foi dizendo, afirmando que participa “por ser a Fátima e pelo convívio”. Cristina Carvalho, da Póvoa de Lanhoso, também não costuma faltar. “Venho sempre a este passeio. É o máximo. É o melhor que os nossos Presidentes nos podem dar”. Para esta senhora, a confraternização também é parte importante. “Agora vamos estar por aqui e vamos conviver todos. Se for preciso, cantar e dançar, como é o costume”, referiu no final do almoço. Também da Vila, Flora Alves é outra repetente. “Gosto, é bonito, é muito interessante e ainda mais quando convivemos. O convívio é o mais importante disto tudo”.

Quem vai a Fátima não costuma perder a oportunidade ainda para fazer uma oração na Capelinha das Aparições assim como para comprar lembranças para a família ou amigos e este dia não foi exceção.

A hora do regresso foi deixada ao critério de cada grupo, acontecendo faseadamente. Mesmo assim, em alguns casos houve ainda grande alegria nos autocarros já que houve grupos que aproveitaram para cantar músicas populares, animando e envolvendo até casa os restantes passageiros. 



publicado por Carlos Gomes às 11:41
link do post | favorito

Segunda-feira, 14 de Setembro de 2015
FOLCLORE JUNTA JOVENS EM CONGRESSO

O Centro Cultural de Viana do Castelo vai no próximo dia 24 de outubro receber o Congresso para Jovens Folcloristas – 2015, subordinado ao tema “Jovens e tradição: perspetivas de renovação”, numa iniciativa do Gabinete da Juventude da Federação do Folclore Português.

Os jovens congressistas vão repensar o trabalho dos respetivos grupos junto das suas comunidades, não esquecendo as temáticas já debatidas, de acordo com o seguinte programa:

1. Debater ações de etnografia e folclore na contemporaneidade;

2. Formar e capacitar os jovens folcloristas em cultura tradicional e popular portuguesa;
3. Compreender a etnografia e o folclore enquanto eixos estratégicos na construção da sociedade global;

4. Facultar abordagens de ações inovadoras nos grupos de folclore;

5. Promover a representatividade do movimento folclórico português.

Este congresso destina-se a jovens com idade até 35 anos mas toda a gente pode participar. São considerados observadores, os jovens até 35 anos de grupos não federados e as pessoas com mais de 35 anos de grupos federados e não federados.

A escolha da cidade de Viana do Castelo para o efeito não podia ser mais feliz em virtude da importância que esta região confere à preservação da nossa cultura tradicional, ao ponto de ser considerada por muitos como a “capital do folclore”.

O blogue AUREN privilegia a defesa do nosso património cultural, incluindo os usos e costumes tradicionais das nossas gentes, razão pela qual tem vindo a destacar-se na divulgação das nossas raízes folclóricas, sendo porventura um dos espaços na internet que maior destaque confere às atividades dos grupos e ranchos folclóricos, sem esquecer a própria Federação do Folclore Português.



publicado por Carlos Gomes às 19:57
link do post | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

"O ANJO DE PORTUGAL" DA E...

BANDA DE VILAR DE PRAZERE...

MUNICÍPIO DE OURÉM ESTÁ A...

BRAGA APOIA VÍTIMAS DE CA...

RIO DE COUROS SOLIDÁRIO C...

ESCOLA PROFISSIONAL DE OU...

ESPOSENDE LEVA 2 MIL IDOS...

SENHORA DE FÁTIMA DÁ O NO...

TOMAR COMEMORA 900 ANOS D...

A PEREGRINAÇÃO DO MIGRANT...

ESPOSENDE ORGANIZA FESTA ...

TABULEIROS DE TOMAR DESFI...

SANTUÁRIO DE FÁTIMA RECEB...

ALVAIÁZERE TEM INCUBADORA...

FESTA DOS TABULEIROS DE T...

VÁ A FÁTIMA E VISITE A SA...

ESCRITOR ALFREDO DE SOUSA...

CORO DOS PEQUENOS CANTORE...

FOLCLORE JUNTA AMIGOS EM ...

ESCRITOR ALFREDO DE SOUSA...

FEDERAÇÃO NACIONAL DAS AS...

DE COMO UM RIBATEJANO SE ...

ESCRITOR ALFREDO DE SOUSA...

O PAÍS ESTÁ A ARDER – FOG...

TRAJO POPULAR DESFILA EM ...

TRAJO POPULAR DESFILA EM ...

RANCHO "OS MOLEIROS" DA R...

FAMALICENSES VISITAM SANT...

MINHOTOS REALIZAM FESTA D...

ANAF'S PROMOVE ACAMPAMENT...

HÁ 90 ANOS, TEVE INÍCIO E...

REVISTA “FOLKLOURES” DIVU...

RANCHO FOLCLÓRICO “MOLEIR...

INVESTIGADORES DA UTAD ES...

MINHOTOS DANÇAM NO OLIVAL...

RANCHO FOLCLÓRICO “MOLEIR...

RANCHO FOLCLÓRICO MOLEIRO...

OURÉM LEVA FOLCLORE A LOU...

OUREENSES DANÇAM NO BAILE...

NADAL EN GALICIA… E SÚAS ...

HÁ XADREZ NO MUSEU DE ART...

LIVRO “GÉRALD BLONCOURT –...

FEDERAÇÃO DO FOLCLORE POR...

PONTE DE LIMA: BANDA DE M...

A LENDA DE SANTA IRIA OU ...

GRUPO "SONS DO MINHO" ENC...

TRATADO DE ZAMORA FOI CEL...

FOLCLORE JUNTA JOVENS EM ...

FÁTIMA RECEBE VISITA DE 2...

FOLCLORE JUNTA JOVENS EM ...

arquivos

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

tags

todas as tags

links
Twitter
blogs SAPO
subscrever feeds